30/07/2008

Faça suas próprias conexões


A idéia deste post é proporcionar ao leitor a possibilidade de conectar uma nota com outra, livremente, e tirar suas próprias conclusões.
Polícias do Rio e São Paulo: em sete anos a polícia de São Paulo diminuiu os homicídios em 70%. A socióloga Julita Lemgruber, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania diz que, de 2000 a 2007, para cada pessoa que a polícia paulista matou, prendeu 1593. No Rio de Janeiro, no mesmo período, para cada morto houve 250 prisões. (Fonte: coluna Ancelmo Gois)
Justiça Eleitoral aceita Força-Tarefa para Eleições: o caos que a violência provoca diariamente no Rio de Janeiro parece não assombrar os homens do Estado, mas quando esta violência ameaça jornalistas e, principalmente, o andamento das eleições, é hora de agir, e garantir a livre democracia. O chamado poder paralelo, hoje em dia, já não é tão paralelo assim, pois confunde-se com o próprio poder.
Desaparecida: Pai de engenheira vai a Brasília tentar apoio de ministro. Ele quer saber se polícia técnica do Rio está preparada para fazer acompanhar o caso. Patrícia Amieiro Franco está desaparecida desde 14 de junho. (Fonte: http://www.g1.com.br/)
Morte do administrador: Inquérito policial livra PMs de culpa por morte de administrador. Ministério Público, no entanto, ainda pode oferecer denúncia contra policiais. Para delegado, crime foi tentativa de homicídio contra os PMs. (Fonte: http://www.g1.com.br/)
Chacina: Ato público lembra os 15 anos da chacina da Candelária. (Fonte: http://www.g1.com.br/)
Eleições: Crivella minimiza a milícia na Zona Oeste. Candidato caminha na Praça Seca ao lado de vereador que é investigado por suspeita de ligação com grupos paramilitares. (jornal O Dia).
Para terminar, reproduzo um post do http://odia.terra.com.br/blog/blogdaseguranca/, na íntegra:
Quarta-feira, 30 Julho, 2008

Um desabafo amargo e justo
Por Gustavo de Almeida
Recebi o texto abaixo de um integrante da PMERJ que respeito muito. É um desabafo que pode soar amargo e até desagradável para alguns. Porém, é imprescindível que seja lido para que o cidadão comum entenda a importância de se aproximar e de olhar para o funcionário estadual da Segurança Pública.
"Criticar o PM é muito fácil, afinal, a sociedade fluminense é perfeita moralmente, enquanto a PM carioca é a que mais mata, é corrupta e tem mil defeitos.A nossa sociedade é ética, não dá propina, não faz gato no relógio, não aceita gatonet, não tem filho drogado em casa.A Polícia é mal preparada, o policial não tem auto-controle em situações de crise, não sabe atirar nem quando atirar. Se o policial se originasse da sociedade carioca teríamos uma excelente Polícia.O policial é violento, é alcoólatra, é gordo, é aculturado, não provém de boa família e logo não tem boa formação. A sociedade é de paz, não usa drogas, dirige com prudência, não agride domésticas e nem maltrata prostitutas por preconceito.A sociedade não alimenta o tráfico nem atura que seus filhos das classes abastadas, principalmente que as lindas moças subam os morros e troquem seus corpos por sacolés de cocaína e pose para fotos com fuzis.Os jovens das classes abastadas não são brigões, isso é coisa de pobre e de policial. Os jovens da sociedade não 'tomam bala' nas festas rave, pois isso pode matá-los precocemente, e no mais, seus pais estão sempre atentos e por perto.A polícia e seus policiais não fazem parte da sociedade. São duas coisas totalmente distintas, as pessoas e os policiais.Já dizía Lendro Sapucahí: "o Judiciário está todo comprado, o Legislativo financiado e o pobre coitado que joga seu voto no lixo, não sei se por raiva ou só por capricho, coloca a culpa de tudo nos homens do camburão..."Culpar os caras de azul é mais fácil. são cães sarnentos. Já se acostumaram a apanhar. AFINAL, POLICIAIS SÃO FEITOS PARA MORRER, NEM QUE SEJA POR R$ 800 POR MÊS."

Um comentário:

  1. Continua contextualíssimo seu blog, Marcelo. Está sumido do meu. Dá um pulo lá e imprima sua opinião que é muito bem vinda. Voltei a atualizar também a página dedicada a Janis Joplin. Abraços!

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.