24/10/2008

As crises brasileiras


A crise norte-americana influencia o mundo todo e no Brasil podemos observar, além destes reflexos, outras crises. A especulação dos investidores na Bolsa de Valores, as medidas governamentais para tentar evitar a crise, a oposição no congresso mais uma vez aproveitando-se de seu poder de alterar as decisões finais, a tentativa de não afetar os altos índices de aprovação presidencial com medidas impopulares e assim por diante. É preciso estar atento a todos os movimentos políticos e empresariais, querem evitar a euforia (e sem dúvida isso é importante), mas não devem abusar do bom senso.
A questão abaixo foi publicada originalmente na Folha de São Paulo, e traz boas explicações sobre especuladores:
Se as autoridades culpam os especuladores, por que a especulação não é coibida?
Os especuladores, tratados no coletivo e no anonimato, são bodes expiatórios convenientes quando as crises explodem. Evoca-se a antipatia dedicada aos gananciosos que desejam enriquecer sem produzir, deixando em segundo plano os questionamentos à política econômica ou à atuação dos órgãos reguladores.
Propostas para restringir a especulação são antigas e periodicamente lembradas. A mais famosa, do economista americano James Tobin, é a de criar um imposto sobre todas as transações financeiras, uma espécie de CPMF global, para tornar mais lentos e mais caros os movimentos do mercado. Nas palavras de seu idealizador, jogar 'um pouco de areia' nas engrenagens do sistema.
Passadas as crises, no entanto, as ameaças e limites impostos aos especuladores são esquecidos ou contornados. Em parte porque o setor financeiro é influente no mundo das idéias e da política, mas, principalmente, porque a especulação é um dos motores da economia de mercado.
Os especuladores --aqueles unicamente interessados em comprar e vender com lucro- viabilizam e expandem os mercados de ações, de moedas e de títulos. Se não fosse a especulação, só compraria ações, por exemplo, uma meia dúzia de fato interessada em se tornar sócia de uma empresa.
A riqueza financeira se distancia cada vez mais dos valores que enxergamos diariamente. Em 1980, o volume de dinheiro aplicado no mercado financeiro era 20% superior à riqueza produzida no mundo. Em 2006, mais de 200%.
O Produto Interno Bruto global, no período, quase quintuplicou, de US$ 10 trilhões para US$ 48 trilhões. Mais espantoso foi o salto do volume de dinheiro aplicado nos bancos, em títulos e ações, que foi de US$ 12 trilhões para US$ 167 trilhões. Mais dinheiro no mercado significa mais possibilidades de investimento e crescimento -e mais riscos também.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.