Um conflito interessante – I

(Escrito Por Ivo Lucchesi em 2/10/2007). Dois portentosos e destrutivos cogumelos atômicos, em 6 e 9 de agosto de 1945, selariam, para semp...

(Escrito Por Ivo Lucchesi em 2/10/2007).

Dois portentosos e destrutivos cogumelos atômicos, em 6 e 9 de agosto de 1945, selariam, para sempre, o fim de uma era e o início de outra. Ali estava o marco de um mundo no qual, irreversivelmente, se dava o salto da técnica para a tecnologia. Como em tudo, mutações ocorrem para o bem e para o mal. O aspecto ambivalente da questão é o foco do presente primeiro artigo que, em outra edição, merecerá desdobramento.
As aceleradas metamorfoses impostas por sucessivas inovações tecnológicas têm gerado, desde a segunda metade do século passado, crescente instabilidade ao que, em outros tempos, se definia como "padrão de vida ocidental". Naquela época, as mudanças não afetavam a rigidez de certos paradigmas, quadro que se manteve enquanto a tecnologia esteve restrita ao campo dos experimentos nas diferentes áreas da ciência. Em que momento, pois, a cultura ocidental sofreu abalos profundos em seus princípios éticos e comportamentais? A instabilidade se marca (e constitui novo marco) com o ingresso da tecnologia numa área na qual, até então, reinava soberana a técnica. Refiro-me especificamente ao campo das linguagens.
Entre os anos 20 e 40 do século passado, um dos mais inquietos e imaginativos pensadores da Escola de Frankfurt, Walter Benjamin, sinalizava intenso estado de encantamento ante as promissoras ofertas advindas da fotografia e, em seguida, com maior entusiasmo, do cinema. As duas linguagens se afinavam com outra não menos vigorosa parceria: a criação e a técnica.
Sonho e pesadelo
Diferentemente do que, na mesma época, pensava outro filósofo, Martin Heidegger, Benjamin reconhecia na "reprodutibilidade da técnica" a possibilidade de emancipação cultural das massas, principalmente pela força da imaginação criadora que provinha das provocações estéticas do cinema. Tal convicção, na visão de Benjamin, teria repercussões transformadoras no âmbito da política. Assim o teórico concebera: criação + técnica = democratização da arte + qualificação político-cultural das massas. Portanto, a criação (arte), amparada por uma técnica de perfil democratizante, reverberaria, politicamente, para um processo coletivo de transformação da realidade. Sob esse aspecto, o cinema se apresentava como "instrumento" ideal: a reprodução ilimitada de cópias e a distribuição das mesmas em diferentes lugares do mundo firmariam o elo indissolúvel para a redenção das massas.
Benjamin, entretanto, não viveu o bastante para perceber que a perversa trama da história inviabilizaria o que ele sonhara. Eis, porém, que a tecnologia sofisticada, a serviço da guerra, contaminou o sonho de Benjamin com o pesadelo do horror. Benjamin morreu antes de ver a fusão entre sonho e pesadelo, cuja condensação adquiriria concretude nos dois cogumelos atômicos. A título de esclarecimento, informo que, a respeito das implicações mais profundas do pensamento de Walter Benjamin, escrevi alongado ensaio ("Walter Benjamin e as questões da arte: sob o olhar da hipermodernidade"), publicado no livro A arte em questão: as questões da arte, organizado por Manuel Antônio de Castro (RJ, Ed. 7Letras / UFRJ, 2005. pp. 169-206).
A tecnologia e as linguagens
Nesse tópico é que se situa a questão de fundo, pretendida pelo presente artigo. Primeiramente, há de se definir, com clareza, o que ocorre, sob o ponto de vista semântico, quando a palavra "técnica" sofre alteração morfológica para "tecnologia". Por "técnica", compreende-se um método para fazer o "objeto", i.e., uma idéia casada a um modo de realização. Por "tecnologia", entende-se um método científico de produção de saber, embasado no conhecimento. Em síntese, desejo pontuar que quando a técnica incorpora o logos (conhecimento), o criador atenua a força da "autonomia subjetiva", em favor da afirmação de um modelo concentrado numa "ferramenta", num instrumento de mediação.
Uma vez conceituada, para os limites de um artigo, a diferença entre os dois caminhos (técnica / tecnologia), cabe o enfrentamento crítico-analítico dos desdobramentos que se deram (e permanecem) no âmbito da produção de cultura. O primeiro ponto a ser constatado é que, após a invasão da tecnologia no campo das linguagens, não se detecta o mesmo vigor inventivo nas artes. Quero dizer que as novas gerações, que já encontraram as linguagens sob o domínio da tecnologia (música, cinema, teatro, literatura e artes plásticas), ainda não foram capazes de oferecer algo à altura da inventividade de outras cuja matriz era regida pelo domínio da técnica. Aqueles que incorporaram, à técnica, a tecnologia souberam (e sabem) somar qualidades. Quem, por outro lado, se fez na tecnologia das linguagens, apresenta resultados sofríveis. Os poetas concretistas, a exemplo de Augusto de Campos e Décio Pignatari (Haroldo de Campos faleceu em 16/08/2003), de modo competente, absorveram as contribuições da técnica, a posteriori, da tecnologia e, atualmente, continuam em expansão criadora. A propósito, a morte de Haroldo de Campos me inspirou artigo publicado no OI, "Haroldo de Campos: a mídia entre perdas e danos", 26/08/2003).
Videografias, uma nova expressão
Ainda no rastro da geração que se formou na hibridização dos modelos, o registro inclui os tropicalistas e, adiante, na mesma linhagem, a inclusão do múltiplo e diversificado artista Arnaldo Antunes, que, com vigorosa destreza, opera de modo inventivo as distintas propriedades do código verbal, vocal e visual, do que resulta a simbiose do processo triádico a configurar-se na criação verbovocovisual, cuja primeira síntese Antunes materializou no projeto artístico "Nome", em 1993.
Para melhor equacionamento acerca do que pretendo analisar, recordo experiências de uma época na qual os limites da técnica eram levados à potencialização máxima de suas possibilidades, sob o incontido impulso criador. Ilustro a observação com alguns exemplos. Pouco tempo depois de surgir a máquina fotográfica, alguém, tocado pela experimentação, resolveu alterar o diafragma, abrindo-o e fechando-o para além e aquém de seu ponto de ajustamento e fotografou. Daí, teve-se a percepção de quantos outros efeitos estéticos e criativos o ato de fotografar propiciaria. Inaugurava-se então o atalho para a fotografia artística. No cinema, não foi diferente. A câmera nas mãos de um Eisenstein e de um Buñuel se tornou objeto a serviço da mais alta genialidade em filmagem e montagem. Os exemplos não se esgotam aí.
No limiar dos anos 60, o coreano Nam June Paik, falecido em 29/01/2006, inconformado com o pouco que a TV oferecia, teve a idéia de agregar um pedaço de ímã ao tubo de televisão. Como resultado, ao ligar a TV, surgiu, na tela, uma profusão de imagens distorcidas, além de variações cromáticas entre branco, preto e cinza. Naquele momento, nova modalidade expressional era doada ao campo das artes: as videografias.
Efeito inibidor
Diferente não se deu no âmbito da indústria fonográfica. Num acanhado estúdio da EMI-Odeon, o virtuoso cérebro de um maestro, arranjador e produtor de disco, George Martin, ao lado dos "quatro rapazes de Liverpool", com o modesto recurso de apenas quatro canais, cada um conectado a um gravador de rolo, consegue mixar a pletora de sonoridades e instrumentos para, em junho de 1967, entregar ao mundo o maravilhoso álbum Sgt. Peppers’ Lonely Hearts Club Band. No Brasil, outros não ficariam atrás, a exemplo dos talentosos Rogério Duprat, Julio Medaglia e, em seguida, Wagner Tiso, Rildo Hora e daí por diante.
Somente tempo depois quatro canais passariam a oito, 16, 32, 64 e... Todavia, o que se tem, em disponibilidade, hoje, após tanto avanço tecnológico, não se iguala, menos ainda supera, o realizado em épocas cujos recursos técnicos eram tão limitados. A conclusão é simples: a sofisticação tecnológica, no campo das linguagens criativas, não vinga sem o principal, ou seja, o vigor criativo da idéia. Esta é da ordem da dimensão subjetiva. Ao contrário, a possibilidade de tantas novas combinações e codificações, por conta do que as atuais ferramentas disponibilizam, pode gerar efeito inibidor. Esse é um risco a ser considerado. Outras questões serão abordadas no próximo artigo.
(Publicação original, clique aqui).

COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,5,Apoemático,19,APPs,15,Arte,3,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,7,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,7,Diálogos,1,Diego Pignones,42,Digital,1,Documentários,119,Educar,23,Ensaios,14,Entrevistas,40,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,15,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,31,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1298,Música,81,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,15,Poesia,39,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1003,Q tem pra V,44,Rádio/TV,27,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,18,Teatro,20,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,10,Vídeos,37,Web,44,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Um conflito interessante – I
Um conflito interessante – I
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2009/03/um-conflito-interessante-i.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2009/03/um-conflito-interessante-i.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy