17/06/2009

Um comentário muito inteligente, outros nem tanto.

Meu caro amigo Emerson Sitta comentou no post Pensamentos vagos sobre Brasil concreto algo que merece reflexão. Farei uso de alguns trechos aqui. Principalmente no dia seguinte ao discurso do Senador José Sarney, usado de diferentes formas por diferentes veículos de mídia, e também do tom de defesa usado por Lula (o presidente) para proteger o José (o outro presidente, o Sarney).
"No Brasil parece que estamos acostumados com a corrupção e com a impunidade" - sim, somos muitas vezes coniventes com o "jeitinho brasileiro" ou favorecidos por ele.
"Esta cultura é nossa realmente, e ainda, há algumas pessoas que acreditam que esse 'jeitinho' nos favorece, porque supostamente teríamos mais habilidades, seríamos mais criativos etc" - a criatividade que temos para burlar regras não é nada artística ou positiva para a sociedade. Brasileiros orgulham-se de algo que outros povos teriam vergonha de expor.
"Veja o seguinte exemplo: um aluno pode tentar colar numa prova, mesmo sendo flagrado e punido, pode tentar novamente. Se conseguir, os outros alunos pensarão que também podem colar. Nenhum desses alunos fará uma reclamação formal sobre o fato. Ao contrário, numa oportunidade também tentarão colar. Eles sentirão a vontade de levar vantagem. Não delatam o fato, pois querem ter segurança para fazer uso desse recurso quando precisarem. Isso parece uma história ingênua, mas não é" - este exemplo é realmente brilhante porque enquadra quase toda a população brasileira.
Quando não usamos o "jeitinho" para benefício próprio, nós apenas calamos nossa ética para possivelmente sermos beneficiados mais tarde. O exemplo dos alunos toca em todos nós, sem exceção; um hábito consolidado no país. Algo que devemos mudar de hoje em diante, pensar a respeito. Perceber que este favorecimento próprio é bom quando somos beneficiados, mas ruim quando alguém se dá bem em nosso lugar. Deste modo não temos justiça, igualdade, lei ou nação. Não temos nada além de nosso egoísmo.
As acusações políticas aparecendo na imprensa não são denuncismo, como em outros casos. São acontecimentos que merecem investigação e punição, e eu acredito em punição aos políticos brasileiros como quem sonha com utopias. No Brasil, nunca um político foi realmente punido por qualquer ato ilícito.
Estamos falando do uso de dinheiro público de um povo que ainda passa fome, falta de infraestrutura, sem hospitais decentes, sem escolas ou acesso para universidades. Do mesmo povo retratado por José Padilha em seu recente filme, Garapa. Infelizmente, a demagogia e a proteção classista empenhada pelos políticos nada ajudam a resolver estes problemas. Tenho respeito pelo Presidente Lula e por todos os benefícios que seu governo proporciona, afinal, não faz parte de nosso passado recente ter um Presidente aplaudido no exterior. Mas é preciso separar o joio do trigo. Precisamos de democracia e justiça, e o Sr. Sarney, respeitável presidente pela quarta vez diz que nada tem a ver com as denúncias? Com os atos secretos praticados durante os últimos 14 anos? Onde esteve nosso imortal Senador durante este tempo?

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.