13/11/2009

Onde estará a luz?

A mídia não se cansa de ter esperança de um dia ter tudo o que quer. Bastaria o Presidente de Israel ter uma dor de cabeça e logo sairia a manchete: "Governo brasileiro causa enxaqueca". A mídia "imparcial" politiza tudo. Não foi, não é e nem continuará sendo diferente com o apagão e o que mais acontecer neste país.
.
A questão é: a tática funciona? Em parte sim, pois mais de 90% da população consome (isso mesmo, consome) notícias pela televisão. Uma boa parte usa o rádio e menos da metade utiliza a internet como fonte de notícias. A "grande mídia" usa televisão, rádio e internet para despejar algumas de suas sandices e o fazem com tanta "onipresença" que pensamos: "será que não é verdade"?
.
Nem tudo na mídia, na moda e na média é ruim, mas tornou-se padrão o baixo nível de qualidade, a pouca exigência de pensamento crítico e os discursos homogêneos em todos os lugares. Aproveitando o recente acontecimento, vejamos algumas opiniões sobre a mídia e o apagão:

"Depois de tentar vender ao país epidemias, desastres econômicos, caos aéreos, dossiês e fichas policiais falsas, agora a mídia tenta vender uma crise de energia elétrica que, até prova em contrário, não existe." - Eduardo Guimarães do blog Cidadania.com.
.
"Não se pode dizer que é culpa da Dilma (Rousseff, ex-ministra de Minas e Energia, atual titular da Pasta da Casa Civil do governo Luiz Inácio Lula da Silva e provável candidata à Presidência). Por mais que a oposição tenha usado isso, não convenceria (o eleitorado)." - Marcos Coimbra, diretor do instituto de pesquisa Vox Populi.
.
"Além da corrida para descobrir as causas do apagão da terça-feira (10/11), a mídia está empenhada em, pelo menos, mais uma competição: qual o apagão mais grave, o de Lula ou o de FHC, em 2001? Até agora não apareceu um modelo ou aparelho medidor de apagões e, mesmo que apareça, a questão é enganosa, acionada por uma radicalização política que a mídia não deveria encampar." - Alberto Dines, um dos melhores jornalistas deste país.
.
Enfim, a politização de todo e qualquer evento e o denuncismo desenfreado adotados pela mídia são nocivos ao país. Mais dia, menos dia, estas práticas acabarão se voltando contra os próprios veículos midiáticos. Não há como sustentar o insustentável, por isso mesmo a mídia jorra denúncias e mais denúncias e mais escândalos numa sequência irracional sem, no entanto, mostrar um acompanhamento e abordagem cabíveis.

Se fizermos uma lista das as denúncias e acusações da mídia, publicadas e veiculadas só em 2009, a grande maioria da população não saberá dizer nada sobre, pelo menos, 70% das matérias já veiculadas. O que fica de tudo isso? Apenas a imagem negativa do governo, dos políticos, dos índios, da agricultura familiar, do país como um todo. Se todos os políticos são ladrões e mentirosos, se os índios são capitalistas impiedosos e latifundiários, se a agricultura familiar não é melhor que o agronegócio e tudo o mais, por que o povo não se revolta e toma alguma atitude?

O Brasil noticiado constantemente pela mídia nacional e o Brasil elogiado mundo afora não são o mesmo, não podem existir ao mesmo tempo. Algo está errado e nós, população, somos coniventes. Continuamos consumindo esta parte da mídia insana do Brasil (ou do Brazil). Não questionamos, não criticamos, não opinamos. Ficamos a pensar que é melhor se calar para não comprometer nosso futuro, pois nunca se sabe o dia de amanhã. Mas além de coniventes ainda queremos tirar vantagem de tudo e por isto ficamos calados. Este sim é o real motivo de nossa convivência pacífica com tantos paradoxos e conflitos.
.
Sabemos que o Big Brother é uma grande encenação mentirosa, mas queremos participar e ganhar fama e dinheiro. Sabemos que o Brasil das novelas da Globo e da Record não é o mesmo Brasil onde vivemos e trabalhamos, mas desejamos (ainda que inconscientemente) ter o mesmo sucesso daqueles atores e levar a mesma "boa vida". Vivemos em estado de conivência até cheguar o momento de lucrarmos com este grande circo. E a mídia? Não se cansa de ter esperança de um dia ter tudo o que quer...

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.