23/02/2010

Os fatos que entristecem

Pesquisa realizada pela Fecomércio do Rio de Janeiro, aponta que o brasileiro lê ainda menos do que lia em 2007. O levantamento foi realizado em mil domicílios de 70 cidades brasileiras, conforme informa o jornal Estado de São Paulo.
Ler um livro, ir ao cinema, visitar exposições, ir ao teatro e a espetáculos de dança não faz parte dos hábitos de 60% dos entrevistados, ou seja, declararam não ter feito nenhuma das alternativas descritas. Em 2007 essa parcela era menor, mas não menos assustadora: 55%. Para mim, o pior mesmo fica por conta do motivo apontado: falta de hábito ou gosto.
"Já entre aqueles que desfrutaram ao menos um dos hábitos, a maioria (ou seja, 23%) disse ter lido um livro. A leitura, porém, parece estar cada vez mais em desuso pois, dois anos antes, a mesma atividade era confirmada por 31% das pessoas consultadas." - publicado em O Estado de São Paulo.
O levantamento ainda mostra que 60% não possui hábito de leitura, enquanto 22% disse não gostar de ler. E o problema nem é a restrição econômica, apontada apenas por 6% das pessoas que disseram não poder comprar livros.
Dias atrás, li sobre uma outra pesquisa, realizada nos E.U.A., apontando que os jovens já não gostam de ler blogues, pois estão acostumados com os nano-textos. A pesquisa aponta que os blogues se tornaram hábito entre pessoas mais adultas, mas infelizmente não me lembro dos números exatos, nem das faixas etárias. Embora a situação possa parecer semelhante, devemos levar em consideração os níveis educacionais e ambientes culturais nos dois países. 
De qualquer modo, minha impressão é que a cada dia que passa, estamos nos tornando mais audiovisuais do que qualquer outra coisa. Mesmo com o dialogismo proporcionado pela web 2.0, parece que ainda não nos desfizemos do hábito passivo de ver e ouvir televisão, que por sua vez, parece nos levar ao hábito de não gostar de ler, não compreendendo textos mais bem elaborados, ficando mais com os 140 caracteres mesmo. Espero que o tempo mostre que estou errado.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.