05/03/2010

Sobre as cotas em universidades

Em audiência no STF sobre as cotas em universidades públicas, o senador Demóstenes Torres (DEM/GO) deu importante contribuição, porém, causou-me um problema muito grave. O nobre senador discursou sobre fatos históricos do Brasil. Agora, olho para a estante, vejo meus livros descansando e já não tenho paz. Vou explicar o que me consome, reproduzindo abaixo um trecho do artigo de Leonardo Sakamoto (jornalista e doutor em Ciência Política):
"Quem ouviu seu discurso saiu com a impressão de que aprendeu várias coisas novas. Que os africanos eram os principais responsáveis pelo tráfico transatlântico de escravos. Que escravas negras não foram violentadas pelos patrões brancos, afinal de contas “isso se deu de forma muito mais consensual” e “levou o Brasil a ter hoje essa magnífica configuração social” de hoje. Que no dia seguinte à sua libertação, os escravos “eram cidadão como outro qualquer, com todos os direitos políticos e o mesmo grau de elegibilidade” – mesmo sem nenhuma política de inserção aplicada" - por Leonardo Sakamoto.
Eis que agora sou consumido por uma dúvida cruel: Gilberto Freyre ou Demóstenes Torres? Sérgio Buarque de Holanda ou o nobre senador? E o que faço agora com Darcy Ribeiro? Pelo que disse Demóstenes, existe uma outra história do Brasil, a qual sinceramente não conheço, e que por sinal é muito mais bonita. O que faço? Jogo fora meus livros? Esqueço tudo o que aprendi?

P.S.: Demóstenes também disse que Gilberto Freyre é hoje renegado. Renegado por quem e por qual motivo? Desconheço.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.