09/04/2010

Especial sobre a direita brasileira

A editora Casa Amarela lança nas bancas, a partir do dia 6 de abril, a edição especial “A Direita Brasileira”. A leitura é para todos aqueles que desejam saber e discutir os atrasos do Brasil criados pelas forças da direita que atuam nas mais diversas áreas.
O especial está dividido 

O especial está dividido em política, economia, direitos humanos, cultura, mídia, movimentos sociais, educação, judiciário e repressão. Entre as matérias há destaque para o tratamento desigual dado na justiça para os pobres e ricos, os incentivos fiscais oferecidos as grandes empresas para patrocinarem a cultura que interessa para elite, a ditadura militar e o uso do poder econômico nas instituições públicas para reprimir o povo trabalhador.

Ler esta edição é importante para perceber o quanto as elites conservadoras não se importam com a construção de um País mais justo, que assegure igualdade de oportunidade para todos, que amplie direitos, que trate do bem-estar das pessoas antes do lucro e do sucesso das empresas. Por isso, conhecer mais essa direita é identificar quem realmente tem prejudicado o Brasil.
Leia o editorial da edição:

O que prejudica o Brasil

A direita brasileira continua muito atuante, tem uma agenda própria e articula ataques em várias frentes contra o que pode ameaçar seus interesses. O oligopólio da mídia neoliberal-burguesa expressa exatamente o que quer e o que faz a direita, que atua nas instituições públicas, nos poderes da República, nos bastidores da política e da economia. A direita cuida especialmente da defesa do capital, das vantagens econômicas do empresariado, dos privilégios patrimoniais das elites e do poder político das oligarquias.

Desde o final do ano passado a direita brasileira cerrou fileiras para enterrar de vez o esclarecimento dos crimes praticados pelo Estado na ditadura militar (1964-1985), em especial o que foi suscitado pelo 3º Programa Nacional dos Direitos Humanos, lançado em dezembro, e que levou o presidente da República a fazer alterações ao gosto dos setores mais reacionários. A direita não quer saber de Comissão da Verdade e da Justiça, não quer passar a limpo a história da prisão, tortura, morte e desaparecimento de opositores políticos.

A direita ataca as propostas de democracia participativa, tudo o que possa aperfeiçoar o sistema representativo e assegurar ao povo o papel de sujeito da história. A direita critica a realização de conferências nacionais que possibilitam a formulação de políticas públicas, assim como as propostas de plebiscitos e referendos para as grandes definições nacionais.

Amarrada aos pontos do Consenso de Washington, mesmo com o fracasso e a crise do neoliberalismo em todo o mundo, notadamente na América Latina, a direita brasileira continua defendendo a privatização de serviços públicos, rodovias, portos, aeroportos, educação e saúde – apesar da péssima prestação de tais serviços pelas empresas privadas.

Ao mesmo tempo rejeita, com muita força, todas as medidas que possam melhorar as condições de vida e trabalho do povo brasileiro. No momento, ataca a redução da jornada de trabalho para 40 horas e a mudança nos critérios das aposentadorias. A direita não tem o menor interesse que os trabalhadores conquistem uma vida com dignidade, que as leis trabalhistas sejam cumpridas.

A direita não se importa com a construção de um País mais justo, que assegure igualdade de oportunidade para todos, que amplie direitos, que trate do bem-estar das pessoas antes do lucro e do sucesso das empresas. Conhecer mais sobre a direita é identificar quem realmente tem prejudicado o Brasil.

(Publicado no Fazendo Media)

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.