Por uma nova narrativa

Escrito por Marcia Denser*. Um dos elementos mais significativos do já clássico Bem-vindo ao deserto do Real! , de  Slavoj Zizek (S.Paulo, ...

Escrito por Marcia Denser*.
Um dos elementos mais significativos do já clássico Bem-vindo ao deserto do Real!, de  Slavoj Zizek (S.Paulo, Boitempo, 2003), é como o filósofo esloveno se serve da análise cinematográfica e da crítica da cultura para demonstrar como opera a ideologia hegemônica. Ele fundamenta seu ponto de vista ao observar que atualmente é extremamente difícil, até traumático, para o ser humano aceitar que sua vida não é apenas um processo estúpido de reprodução e busca do prazer, mas que ele está a serviço de um propósito transcendente. Em nosso universo “pós-ideológico” é assim que parece funcionar a ideologia: executamos nossos mandatos, incorporamos nossos papéis simbólicos sem admiti-los e “sem levá-los a sério”. A exemplo do sujeito que, apesar de funcionar como “pai”, vive se auto-ironizando, botando tal condição entre aspas.

O sucesso do desenho animado Shrek (Andrew Adamson e Vicky Jenson, 2001), diz ele, expressa perfeitamente esse funcionamento predominante da ideologia: é uma história de fadas padrão, na qual o herói e seu assistente engraçado saem em campo para derrotar o dragão e salvar a princesa. Mas a narrativa vem “enfeitada” (no sentido de adorno, ornamento) com “estranhamentos brechtianos” (que eu chamaria antes de “deslocamentos temporais”) – na igreja, a multidão que assiste ao casamento recebe instruções para reagir: “Aplausos!”, “Rir!”, “Silêncio!”, com a mesma falsa espontaneidade dum auditório de TV; desvios politicamente corretos (depois do beijo, não é o ogro quem se transforma num belo príncipe, mas a linda princesa que vira ogra); reversões inesperadas de personagens maus em bons (o dragão se revela fêmea e apaixonada pelo burrinho co-herói), tudo isso sem contar as gírias e referências a costumes e canções pop.

Mas em vez festejar tais estranhamentos como potencialmente “subversivos”, como uma certa crítica se apressa em fazer, é preciso perceber o óbvio: por meio de todos esses deslocamentos, contou-se a mesma velha história. Em síntese, a verdadeira função dessas “subversões” é atualizar, ou seja, tornar relevante para a nossa época “pós-moderna” a história tradicional – e assim evitar que ela seja substituída por uma nova narrativa. Eis objetivamente o achado crítico do autor.

Zizek lembra que na antiga República Democrática Alemã era impossível uma pessoa combinar três características: fé ideológica, inteligência e honestidade. Ele diz: “Quem acreditava e era inteligente, não era honesto; quem acreditava e era honesto, não podia ser inteligente. E isso não se aplica à ideologia neoliberal? Quem finge levar a sério a ideologia liberal hegemônica não pode ser ao mesmo tempo inteligente e honesto: ou é estúpido ou um cínico corrompido”.

“Portanto, se me permitem uma alusão de mau gosto ao Homo sacer**  de Agamben, quero afirmar que o modo liberal dominante de subjetividade hoje é o Homo otarius: ao tentar manipular e explorar os outros, acaba sendo ele o verdadeiro explorado. Quando imaginamos estar zombando da ideologia dominante, estamos apenas aumentando seu controle sobre nós”.

O que efetivamente Zizek quer dizer é que a ideologia hegemônica, que domina a subjetividade e impede a construção de uma nova narrativa, tem como objetivo único a preservação do status quo, uma vez que o modelo atual de prosperidade capitalista recente não pode ser universalizado. E a exemplo ele cita George Kennam: “Os EUA têm 50% da riqueza do mundo e apenas 6,3% da população. Nessa situação, nossa principal tarefa no futuro é manter essa posição de disparidade. Para fazê-lo, temos que esquecer todo sentimentalismo, devemos deixar de pensar nos direitos humanos, na elevação dos padrões de vida e de democratização.”(citado por John Pilger em The New Rules of the World, 2002).

Um descarado egoísmo econômico, este é o divisor fundamental entre os que estão incluídos na esfera de (relativa) prosperidade econômica e os que dela estão excluídos.

Em suma, Homo sacer & Homo otarius. Zizek conclui, sombriamente: “O fato é que a democracia – o sistema parlamentar liberal-democrático estabelecido – já não está viva: o trágico é que a única força política que hoje está “viva” é a nova direita populista.” - representada no contexto europeu por Le Pen, Berlusconi e outros.

Direita que, no Brasil “pós-ideológico”, se faz representar pelo inefável Serra que, emblemático do Homo otarius, não é nada – apenas o pós-Lula. E Lula quem seria? Aquele que, a despeito de toda adversidade e até de toda teoria, estaria efetivamente construindo “uma nova narrativa”.

**Homo sacer – conforme extraído do direito romano por Agamben, são os que, apesar de humanos, estão excluídos da comunidade humanidade, razão pela qual podem ser mortos impunemente. Ex: prisioneiros de campos de concentração, refugiados de guerra, favelados economicamente excluídos.

*A escritora paulistana Márcia Denser publicou, entre outros, Tango Fantasma (1977), O Animal dos Motéis (1981), Exercícios para o pecado (1984), Diana caçadora (1986), A Ponte das Estrelas (1990), Toda Prosa (2002 - Esgotado), Diana Caçadora/Tango Fantasma (2003,Ateliê Editorial, reedição), Caim (Record, 2006), Toda Prosa II - Obra Escolhida (Record, 2008). É traduzida na Holanda, Bulgária, Hungria, Estados Unidos, Alemanha, Suiça, Argentina e Espanha (catalão e galaico-português). Dois de seus contos - O Vampiro da Alameda Casabranca e Hell's Angel - foram incluídos nos 100 Melhores Contos Brasileiros do Século, sendo que Hell's Angel está também entre os 100 Melhores Contos Eróticos Universais. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUCSP, é pesquisadora de literatura, jornalista e curadora de Literatura da Biblioteca Sérgio Milliet em São Paulo.

COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,5,Apoemático,19,APPs,15,Arte,3,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,7,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,7,Diálogos,1,Diego Pignones,42,Digital,1,Documentários,119,Educar,23,Ensaios,14,Entrevistas,40,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,15,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,31,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1298,Música,81,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,15,Poesia,39,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1003,Q tem pra V,43,Rádio/TV,27,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,18,Teatro,20,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,9,Vídeos,37,Web,44,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Por uma nova narrativa
Por uma nova narrativa
http://2.bp.blogspot.com/_qYymnl5MhNU/S9UB3EKeInI/AAAAAAAABe0/ujgFCz6x1Lg/s200/shrek2_2.jpg
http://2.bp.blogspot.com/_qYymnl5MhNU/S9UB3EKeInI/AAAAAAAABe0/ujgFCz6x1Lg/s72-c/shrek2_2.jpg
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2010/04/por-uma-nova-narrativa.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2010/04/por-uma-nova-narrativa.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy