10/10/2010

Confissões políticas de um brasileiro

Por vezes sinto meus dedos cansados, tentando encontrar repouso em uma parte qualquer de meu corpo. Berra dentro de mim uma vontade indizível de comunicar, mas o olhar já não permite certos gritos. Porém, os velhos dedos não querem descansar: procuram falar, desejam digitar.

Acompanho política desde meados da década de 80 quando era um pré-adolescente. Ia para escola com broches demonstrando minhas idéias sobre o mundo quando meus amigos só queriam andar de skate. Alimentava sonhos e projetos para o país no qual nasci, cresci e ainda habito.

Entrei no século 21 navegando por esse intempestivo ano de 2010. Acumulo pensamentos, sentimentos e vivências em tão grande número que é impossível listar aqui. Mesmo assim, não canso de me surpreender.

Imagine: meu país tem um presidente que, segundo a imprensa, é bêbado, estuprador, oculta criminosos no governo, apoia as FARCS, defende a bomba atômica no Irã, é mentiroso, financia blogs a seu favor e pretende colocar em seu lugar uma candidata que nunca concorreu a nenhuma eleição. Essa candidata, também segundo a imprensa, é durona, intransigente, não tem experiência, finge ser religiosa, é a favor do aborto, vai romper com o presidente e instituir uma ditadura. 

A mídia tem medo de uma ditadura no Brasil, mas ao mesmo tempo chama a real e cruel experiência de 21 anos dos militares no poder de ditabranda. Conclui-se que a velha imprensa tem medo das guerrilhas, mas não hesita em instituir uma guerra de fundo religioso completamente descabida, despolitizada e sem debates. Claro: esses órgãos da imprensa promovem debates eleitorais, mas na verdade os odeiam, pois vivem acusando, denegrindo, difamando e demitindo qualquer voz contrária ao seu pensamento hegemônico, sem nenhum direito ao diálogo.
.
E gritam por democracia. Sim, a velha e estuprada "liberdade de expressão". Mas nunca concedem o mínimo espaço para aqueles que desejam se expressar, para seus ofendidos, para os que possuem pensamento diferente ou simplesmente discordam de algo por um motivo qualquer.

Que momento político e social é este? Um período de nossa história no qual religiosos promovem a homofobia a céu aberto? Um segundo turno para a presidência de um país reduzido ao aborto? Cerca de seis famílias dominando 80% da comunicação do Brasil e clamando por democracia? Que democracia? Onde está a sanidade tupiniquim?

Será que vocês, brasileiros, não percebem que todos nós estamos perdendo? Perdendo tempo precioso e deixando de debater questões fundamentais sobre educação, saúde, habitação e segurança pública. Ou será que alguém acredita que tudo irá se resolver magicamente a partir de 2011? A única participação política de nosso povo é no dia da eleição, com o voto obrigatório na chamada festa da democracia?

Meus dedos envelhecem e por vezes se cansam de falar. Mas é certo que não desistem enquanto eu ainda viver. Afinal, quem dita os rumos políticos do país? A mídia, os jornalistas ou o povo? Está na hora de exigirmos uma posição clara dos candidatos sobre o Brasil, quais são seus projetos e o que eles têm a nos oferecer. Caso contrário, os resultados serão catastróficos e toda a nação sentirá no peito a angústia e a saudade de um tempo no qual poderíamos ter feito algo melhor.

2 comentários:

  1. Clap, clap, claps....Texto fudido! Desejo que muitas pessoas o leiam!!
    Força pra você! Por lutar por um país menos filha da puta!
    Te amo!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado. Só agora percebi que esse texto tem uma gafe minha: "Entrei no século 21 navegando por esse intempestivo ano de 2010."
    Somente eu entrei no século 21 com uma década de atraso...rs Bem, não era isso exatamente que eu queria dizer, mas não vou corrigir...
    Também te amo.

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.