30/10/2010

Malandrinho, Serra termina campanha sem registrar programa de governo junto à Justiça Eleitoral

São Paulo - A coligação "O Brasil pode mais", encabeçada pelo candidato à Presidência da República José Serra (PSDB) termina a campanha eleitoral sem ter registrado o programa de governo. O procedimento, junto à Justiça Eleitoral, é obrigatório a partir do pleito deste ano. A governista Dilma Rousseff (PT) fez o registro no segundo turno.

Para ter seu registro de candidatura aceito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Serra protocolou uma compilação de discursos seus proferidos antes de julho, durante a pré-campanha eleitoral. Segundo informações da campanha, há um volume de 118 páginas pronto, após dois meses de revisão, mas que não será entregue à Justiça. No início da campanha, Serra criticou Dilma Rousseff reiteradas vezes por ter encamnhado duas vesões provisórias do programa de governo.

O material da candidatura tucana foi produzido a partir das propostas apresentadas no programa de TV, e não o inverso. Assim, constam promessas como elevação do salário mínimo para R$ 600, reajuste de 10% para aposentados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e criação de ministérios (como da segurança pública e do deficiente físico) têm destaque.

A alegação da campanha de Serra para a demora e para não registrar o material é de que haveria o risco da candidatura rival "copiar" as propostas. Mas há outras motivações. "Foi uma opção do marketing da campanha", admitiu à Folha online Xico Graziano, ex-secretário do governo Serra em São Paulo e responsável pela coordenação do programa. "Por mim, lançaria antes", disse.

O material trata do modelo energético com críticas à gestão da Petrobras. Na visão dos tucanos, a empresa de controle estatal está "aparelhada" e enfraquecida. A avaliação ocorre um mês depois da capitalização da companhia, prevista na revisão do marco regulatório do petróleo. O processo de venda de ações foi o de maior valor no mundo, elevando a empresa à condição de segunda maior do setor.

Sem definir se mudaria ou não a legislação ainda em discussão sobre o modelo de exploração das reservas do pré-sal, o caderno de propostas de Serra inclui críticas à criação da Pré-Sal Petróleo. A estatal será responsável por gerenciar a exploração.
(Publicado na Rede Brasil Atual

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.