14/04/2011

Boris Casoy acusa polícia de favorecer Globo com vídeo exclusivo de atirador

Escrevi dois posts sobre isso no Twitter na terça-feira. Nos bastidores do jornalismo, comentou-se sobre a polícia estar favorecendo a Globo com a divulgação de materiais do crime de Realengo, inclusive com entrevistas que só a Globo conseguiu naqueles dias. Agora, quem fala sobre isso é Boris Casoy, como mostra a notícia publicada no Portal Comunique-se.
Boris Casoy acusa polícia de favorecer Globo com vídeo exclusivo de atirador

O jornalista da Band Boris Casoy acusou a polícia do Rio de Janeiro de favorecer a TV Globo com um vídeo exclusivo em que o atirador Wellington Menezes de Oliveira conta os motivos que o levaram a planejar o massacre que culminou na morte de 12 estudantes da escola Tasso da Silveira (Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro), no dia 7/4. A filmagem foi exibida na noite de terça-feira (12/4) no Jornal Nacional.

"Esses vídeos de interesse público foram vazados somente para a TV Globo pela polícia do Rio. Que só agora promete investigar a discriminação cometida contra o restante da imprensa brasileira, através desse vazamento. A polícia do Rio deve explicações", protestou o apresentador do Jornal da Band.

Segundo a coluna Ooops, de Ricardo Feltrin, a Band fez uma queixa formal à ouvidoria da Polícia Civil do Rio de Janeiro por causa do vazamento. De acordo com a coluna, a Record também negociava o vídeo com policiais, mas, por questão de minutos, levou furo da Globo.

Origem do vídeo
Apesar da polêmica, a própria polícia divulgou ontem (13/4) que não tinha conhecimento das imagens e que iria pedir o vídeo à Globo. "O vídeo não foi encontrado na casa do Wellington, no HD do seu computador, ou na bolsa que deixou na escola”, disse a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha. A emissora informou que enviaria os vídeos para a polícia.


0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.