27/05/2011

Audiência entre Folha e fAlha termina sem acordo, mas site pode voltar ao ar

A audiência conciliatória entre Folha de S. Paulo e fAlha de S. Paulo, que parodiava o jornal, acabou sem acordo. A conversa no Forum João Mendes, nesta quinta-feira (26/5) em São Paulo, manteve o embate entre a advogada que representa a Folha, Taís Gasparian, que alega uso indevido da marca pelos irmãos Lino e Mario Bocchini, criadores do site, que alegam o uso da liberdade de expressão.

Veja mais sobre Taís Gasparian, paladina da liberdade de expressão

Apesar de não haver acordo, a advogada explicou que os irmãos poderiam voltar com o site, caso não usassem mais o logo, as fontes, conteúdo, fotos, nada registrado ou que caracterize o projeto gráfico do jornal. Os blogueiros, no entanto, acreditam que essas restrições impedem a paródia.

“É como alguém falar assim: 'olha, você pode parodiar o Lula, mas não pode usar barba postiça, voz rouca, terno, nem ser barrigudo. Ah... também não pode ser baixinho e nem falar com a língua presa. Tirando isso, fique à vontade!'”, criticaram os irmãos Bocchini, em texto publicado no blog Desculpe a nossa fAlha, página criada pela dupla para tratar dos detalhes do processo entre Folha e fAlha.

Os blogueiros então formularam uma contraproposta, em que o site voltaria com seu conteúdo satírico, mas com uma mensagem em destaque ‘Isto não é um jornal’ ou ‘Isto não é a Folha’. “Seria um aviso do lado do logotipo para resolver a preocupação deles, de que o leitor possa se confundir”, explicou Lino. Na audiência, a advogada pediu um tempo para conversar com alguém do jornal sobre a contraproposta, mas disse que a pessoa consultada não tinha autonomia para autorizar o acordo. Taís se comprometeu a conversar com alguém competente em relação ao assunto e dar uma resposta aos blogueiros.

Procurada pelo Comunique-se, a advogada Mônica Filgueiras da Silva Galvão, que também participou da audiência, informou que ainda não há data prevista para que a direção da Folha de S. Paulo dê uma resposta sobre o caso.

Escrito por Izabela Vasconcelos

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.