Marco regulatório é tema de Seminário Nacional do PT

A abertura do seminário nacional “Por um novo marco regulatório para as Comunicações: o PT convida ao debate”, iniciado na manhã desta sext...

A abertura do seminário nacional “Por um novo marco regulatório para as Comunicações: o PT convida ao debate”, iniciado na manhã desta sexta-feira (25), em São Paulo, teve como marca a discussão da democratização da comunicação sob diversas perspectivas. O Partido convidou cerca de 30 entidades empresariais e da sociedade civil que atuam na comunicação para intensificar e fortalecer o debate sobre a criação do marco regulatório do setor.
Escrito por Felipe Bianchi
Com as ausências do escritor Fernando Morais, que enviou documento endossando seu apoio à luta pela democratização do setor, e do ministro das Comunicações Paulo Bernardo, que atende a compromissos governamentais no Rio de Janeiro,  Rui Falcão, presidente do PT, inaugurou o debate destacando a importância de o Partido resgatar seu compromisso histórico com a democratização da comunicação. Ele afirmou que, no evento, “não assumiremos decisões partidárias, mas compromissos com as entidades envolvidas nessa luta”.

Segundo Falcão, dentre os princípios compreendidos pelo PT para a criação do novo marco regulatório estão a liberdade de imprensa e o repúdio a qualquer tipo de censura; a pluralidade das fontes de informação; o fortalecimento da indústria nacional criativa, principalmente da produção independente, além da promoção da cultura brasileira e dos direitos de acesso à comunicação por redes públicas e comunitárias; o estímulo ao desenvolvimento regional e à desconcentração das oportunidades de negócio; e, por fim, uma regulação à luz da convergência dos meios e dos anseios por um Brasil soberano e socialmente mais justo.
O deputado federal Emiliano José, que integra a Frente Parlamentar Pela Liberdade de Expressão e Direito à Comunicação com Participação Popular, comentou a importância da retomada da pauta da comunicação: “Essa questã vinha sendo marginalizada pelo Partido, de certa forma. É fundamental que ocorra o resgate dessa luta para a nossa pauta. Trata-se de uma questão-chave para a democracia do Brasil”. Para ele, é preciso enfrentar a questão no sentido de ampliar o leque de vozes presentes na mídia e isso só pode ser feito com mobilização social. “Ou mobilizamos a sociedade em relação à questão, ou não avançaremos no âmbito parlamentar”.
André Vargas, secretário nacional da Comunicação do PT, defendeu que a realização do evento coloca o PT como catalisador do debate da regulamentação, que não é um anseio partidário, “mas uma necessidade da democracia brasileira”. Já Antonio Donato, vereador municipal do Partido, chamou a atenção para a importância do combate ao monopólio e oligopólio dos meios de comunicação. “A reflexão que produzimos ao discutir esse tema é a necessidade do direito à informação”, diz.
O estigma da censura, difundido pelas empresas de comunicação contrárias à criação do marco regulatório, foi comentado por Edinho Silva, presidente estadual do PT e deputado estadual. “Num país que se propõe a ser democrático e plural, não pode haver dogmas, estigmas e fantasmas que evitem esse debate sobre a democratização da comunicação”, diz. Ele argumenta que, pelo fato de a comunicação social ser concessão pública, o processo não pode ser vetado pelo âmbito empresarial. O deputado, bem como outros debatedores, chamou a atenção para a importância de levar o debate à sociedade civil.
Ainda participaram da mesa de abertura Paulo Teixeira, líder do PT na Câmara, e Selma Rocha, da direção da Fundação Perseu Abramo. Teixeira ressaltou a importância de regulamentar a comunicação não a favor de partidos, governos ou empresas, mas a favor da sociedade. Ele ainda lembrou que a regulação vigente foi criada no período da ditadura militar, o que expressa a urgência de sua atualização. Rocha, por sua vez, afirmou que “produzir informação é um direito social” e que, por isso, “é tão importante que esse debate venha à tona”. Ela ainda mencionou que a realização do seminário afirma uma política ligada à afirmação da democracia no país, além da qualificação política e social dos indivíduos para além do voto.
Estado, democracia e liberdade de expressão
O debate da parte da manhã teve como tema Estado, democracia e liberdade de expressão. Sob coordenação de Emiliano José, a mesa contou com Glauber Piva, diretor da Agência Nacional do Cinema (Ancine); Venício Lima, jornalista, sociólogo e professor aposentado da Universidade de Brasília; Rosane Bertoti, secretária nacional de Comunicação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Laurindo Lalo Filho, jornalista, sociólogo e professor aposentado da Universidade de São Paulo.
Para Piva, o direito à comunicação implica a garantia da circulação da pluralidade de ideias. “As novas tecnologias facilitaram a produção de conteúdo. Agora, é necessário regular o espaço para que essa produção tenha alcance tão potencial quanto o da grande imprensa”. Ele sintetiza que, sem regulamentação, “disponibilizamos conteúdo na rede, mas não disputamos o terreno da política”. Um novo marco regulatório, na visão de Piva, deve proporcionar a circulação da pluralidade de ideias, promovendo a liberdade de expressão e comunicação.
Liberdade de expressão para quem?
Autor de vasta bibliografia sobre liberdade de expressão e as relações de poder na imprensa, Venício Lima citou o estudioso Manuel Castells paraafirmar que a comunicação é a forma mais importante de exercício de poder no mundo contemporâneo. Em seguida, salientou que a ideia dominante propagada pela grande mídia é de que o Estado é inimigo da liberdade de expressão. “A ideia dominante, transmitida pela grande mídia, é que liberdade de expressão é identificada com a liberdade da imprensa. Essa é uma inversão absurda, na qual corporações controladas por poucas famílias são as portadoras e defensoras da liberdade de expressão”.
Para Lima, o papel do Estado é de garantir a liberdade e não vetá-la. A proposta do marco regulatório, em sua visão, define se mais ou menos indivíduos terão acesso ao debate público. “A pergunta é: mais gente vai participar do debate público ou apenas poucos grupos continuarão a ter voz na sociedade?”.
Mobilização social é fundamental
Rosane Bertoti, por sua vez, destacou a importância de sua contribuição por trazer a reflexão do tema a partir dos movimentos sociais. Ela chamou a atenção para a importância de mobilização: “Se queremos a democratização da comunicação e a consolidação da democracia no país, precisamos nos espelhar no exemplo sul-americano. A vontade política do governo argentino de implementar essa regulamentação somada à vontade popular e dos movimentos sociais possibilitarão a criação da Lei dos Meios e devemos seguir esse caminho”. Bertoti ainda disse que será um erro histórico do governo e dos movimentos sociais não encaminhar a democratização da comunicação.
Fechando a mesa de debates, Laurindo Lalo também criticou a postura da grande imprensa em relação ao debate. “Ninguem se manifesta a favor da censura, portanto a mídia se coloca como defensora da liberdade de expressão. O enfrentamento dessa barreira é difícil. Em nenhum país desenvolvido, os órgãos reguladores praticam censura. O papel desses órgãos é intermediar as necessidades da sociedade e a prática da comunicação social”, afirmou. Enquanto a grande mídia afirma que “o melhor controle é o controle remoto”, Lalo opina que “o controle remoto é utilizado para você tirar de uma coisa e colocar em outra que fala a mesma coisa. O conteúdo é o mesmo”.
Em sintonia com os outros debatedores, Lalo crê que o Brasil está atrasado em relação aos outros países da América Latina. Após a Argentina aprovar a Ley de Medios, o Equador também avança na regulamentação da comunicação. “Segundo a presidente Cristina Kirschner, a lei não é para controlar ninguém, mas para evitar que o povo seja controlado pelos grandes veículos”, afirma.



COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,5,Apoemático,19,APPs,15,Arte,4,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,8,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,7,Diálogos,1,Diego Pignones,42,Digital,1,Documentários,119,Educar,23,Ensaios,14,Entrevistas,40,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,15,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,31,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1299,Música,81,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,15,Poesia,39,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1003,Q tem pra V,45,Rádio/TV,27,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,18,Teatro,20,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,10,Vídeos,37,Web,45,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Marco regulatório é tema de Seminário Nacional do PT
Marco regulatório é tema de Seminário Nacional do PT
http://www.baraodeitarare.org.br/wp-content/uploads/2011/11/IMG030-349x262.jpg
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2011/11/marco-regulatorio-e-tema-de-seminario.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2011/11/marco-regulatorio-e-tema-de-seminario.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy