26/11/2011

Quanto vale seu tweet? Apresentadores ganham R$ 15 mil por tweet

Marco e Sabrina, apresentadores humorísticos que não são jornalistas, no 5º seminário internacional de jornalismo online (?)

Escrito por Priscila Fonseca e publicado no Comunique-se

Os apresentadores Sabrina Sato, do 'Pânico na TV', da Rede TV, e Marco Luque, do 'CQC', da Band, estiveram no último painel do MediaOn 2011, em São Paulo nesta quinta-feira (24). Os profissionais explicaram como viraram fenômeno na rede e se transformaram em veículos de si próprios.

Segundo os apresentadores, a carreira deles não seria tão grande se não fosse a divulgação na internet. Eles contaram que é mais fácil assumir uma postura espontânea no Twitter. Os dois admitiram que utilizam a mesma postura mesmo na hora dos tweets patrocinados. Luque revelou que chega a ganhar R$ 15 mil por tweet.

“As marcas começaram a pensar nas redes sociais. Mas você não pode fazer uma propaganda. Tem que falar algo como: “Pô, hoje abri e mochila e…”, explicou Luque. “Tem que ser um papo natural”, complementou Sabrina.


“Costumo fazer pacotes de uns seis tweets sobre uma marca. Eu gosto de eu escolher o tweet, escrever o tweet. Não gosto de tuitar sobre a mesma marca no mesmo dia, então faço um planejamento de meses, para tuitar de forma bem espaçada”, disse o apresentador do CQC.

Marco Luque e Sabrina Sato rejeitam terem tomado o lugar dos profissionais formados em comunicação social. Sabrina afirma que se define como apresentadora e animadora de TV, enquanto Luque se considera “ator”. Ambos disseram que seu trabalho tem mais vínculo com humor do que com a comunicação social. “Nem eu, nem a Sabrina fomos convidados para um trabalho de jornalista, o que temos de forte é a comédia, o humor”, disse Marco Luque.

Sabrina afirmou que chegou a estudar comunicação, mas não acredita que isso possa torná-la profissional da área. “Até tenho uma faculdade de jornalismo, que eu não terminei, mas a minha personalidade e a dele (Luque) têm tudo a ver para ocupar aquele espaço. Tudo o que eu fiz na vida foi de uma maneira muito intuitiva”, disse.

Os apresentadores ainda ressaltam sobre o papel de seus respectivos programas na sociedade brasileira. Segundo Luque, com o CQC conseguiu finalmente entender mais sobre política e percebeu que o público que mais assiste são os jovens. “É muito bacana ver que assistindo o “CQC” os jovens estão engajados e entendendo sobre esse cenário político, isso mostra que o quadro de eleitores está mudando”, disse.

Sabrina contou que antes não existiam muitos programas humorísticos com o estilo do Pânico, ela acredita que com a chegada deles o humor mudou.

Foi “exagero”, diz Luque sobre caso Rafinha
“Ai meu Deus”, respondeu o apresentador do 'CQC' ao ser questionado novamente sobre a polêmica envolvendo o colega Rafinha Bastos durante o evento. Depois de divulgar uma nota questionando a piada envolvendo o bebê da cantora Wanessa Camargo, Luque afirmou que houve exagero de todas as partes no episódio.

“Houve exagero até da minha parte. Foi uma piadinha de 6ª série do colégio com o cara da 7ª”, disse o humorista, que elogiou Rafinha. “Acho necessário esse humor ácido dele. Com certeza vai fazer falta, se deixar o CQC“, afirmou.

Questionado se Rafinha deixaria de fato o programa da TV Bandeirantes, Luque disse que “está difícil” e lembrou da hipótese do colega ir trabalhar nos Estados Unidos. “Ele tem facilidade com a língua. Já morou lá, quando jogou basquete.”

Sobre Mauricio Meirelles, o novo repórter do programa, Marco disse que ele não entrou no lugar de Rafinha, porque a contratação já estava sendo discutida no programa antes mesmo da confusão.


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.