13/12/2011

Batom na cueca


Escrito por Guilherme Scalzilli

Finalmente saiu o livro de Amaury Ribeiro Júnior, agora intitulado “A privataria tucana”. A obra é tão constrangedora para José Serra e seus apaniguados que, mesmo inacabada, teve um papel relevante (e ainda pouco esclarecido) nas últimas eleições presidenciais. Sua publicação enterra as veleidades serristas na campanha paulistana e representa o maior golpe à imagem sacrossanta do tucanato desde os anos FHC.

Apesar do sucesso de vendagem, contudo, não devemos chegar a muito mais que isso. Os casos de corrupção relatados têm proporções que o Judiciário não comporta sozinho. Quer dizer, sem apoio midiático. E, previsivelmente, o silêncio da imprensa corporativa acerca do livro é quase total. Eis a imparcialidade e o espírito republicano dos arautos da febre moralista.

A reação do serrismo virá em duas frentes: desacreditando Amaury, com auxílio daqueles blogueiros e colunistas manjadíssimos, e criando uma avalanche de gritarias acusatórias contra o PT e o governo federal. Na pior das hipóteses, alguém será jogado às piranhas (o próprio Serra? Um funcionário desimportante?) para a salvação do rebanho.

O lançamento beneficia-se do mercado natalino, mas perde força política por causa do recesso das férias gerais. Se articulistas, editores e ouvidores dos grandes veículos forem pressionados a pelo menos admitir que o livro existe, a boa idéia da CPI das Privatizações sobreviverá aos primeiros meses de 2012.


0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.