Direitos sexuais e reprodutivos da mulher. Entrevista especial com Telia Negrão

Para a cientista política Telia Negrão, não há efetiva separação entre  Estado e Igreja , “pois vivemos numa sociedade muito conservadora, p...

Para a cientista política Telia Negrão, não há efetiva separação entre Estado e Igreja, “pois vivemos numa sociedade muito conservadora, patriarcal, e quase todas as religiões são patriarcais”
Ao analisar o papel que o Estado exerce sobre o corpo da mulher,Telia Negrão afirma que “o Estado mantém forte controle sobre o corpo das mulheres na medida em que, através das leis e das políticas públicas, se determina o grau de possibilidade das mulheres tomarem as próprias decisões”. Para ela, há uma relação estreita entre democracia e autonomia, sendo essa uma grave contradição no Brasil. “A democracia é bem ampla, mas as mulheres têm vedado o direito de decidir sobre seu corpo. Convivemos com um Código Penal de 1940 que penaliza as decisões reprodutivas, mas neste país se permite a veiculação de músicas que incitam ao estupro, como esta do Teló. Então a falsa moral está disseminada entre nós”, frisa, em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line.

Já com relação ao papel da religião, a jornalista diz que, embora a Igreja Católica seja forte no Brasil, as evangélicas também são e muito ativas. “Elas monitoram de perto os políticos e cobram deles o apoio que dão nas eleições. Não há efetiva separação entre Estado Igreja, pois vivemos numa sociedade muito conservadora, patriarcal, e quase todas as religiões são patriarcais”.
Telia Negrão é jornalista, cientista política e coordenadora da ONG Coletivo Feminino Plural. É integrante do Conselho diretor da Rede Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos e da Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe. Participou da última Sessão do Comitê da Convenção Sobre aEliminação de Todas as Formas de Discriminação à Mulher, em Genebra, na Suíça (13 a 17 de fevereiro), aonde levou dados para expor a situação de saúde das mulheres brasileiras.
Confira a entrevista.
IHU On-Line – Que mudanças ocorreram na legislação brasileira nos últimos anos, no que se refere às políticas públicas para as mulheres? Qual o papel e a importância dos movimentos sociais e de mulheres nesse sentido?
Telia Negrão – A principal mudança ocorrida no Brasil se deu em 1988, quando a Constituição Federal reconheceu a igualdade de direitos entre homens e mulheres; estabeleceu vários artigos em que as mulheres são sujeitas de uma maior atenção, como no mercado de trabalho e nas relações familiares. Além de um apanhado de leis em todos os campos da vida, destaca-se a Lei Maria da Penha, de 2007, que estabelece a proteção para as mulheres em situação de violência doméstica. Mas é importante ressaltar que, no Brasil, sendo signatário de Convenções Internacionais, estas se transformam em leis nacionais, como a Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação à Mulher.
IHU On-Line – Quais eram e/ou são as principais reivindicações das mulheres no que se refere aos seus direitos humanos?
Telia Negrão – O fim de todas as formas de violência e discriminação; a igualdade no mundo do trabalho; o acesso ao poder político; a democratização da vida privada; o direito à saúde e ao livre exercício da sexualidade.
IHU On-Line – Acredita que o Estado tem um controle muito forte sobre o corpo da mulher? Por quê?
Telia Negrão – O Estado mantém forte controle sobre o corpo das mulheres na medida em que, através das leis e das políticas públicas, se determina o grau de possibilidade das mulheres tomarem as próprias decisões. Há uma relação estreita entre democracia e autonomia, sendo essa uma grave contradição no Brasil. A democracia é bem ampla, mas as mulheres têm vedado o direito de decidir sobre seu corpo. Convivemos com um Código Penal de 1940 que penaliza as decisões reprodutivas, mas neste país se permite a veiculação de músicas que incitam ao estupro, como esta do Teló. Então a falsa moral está disseminada entre nós.
IHU On-Line – De que maneira os direitos à sexualidade da mulher estão intimamente ligados ao aborto?
Telia Negrão – Desde o advento da pílula anticoncepcional e sua difusão na década de 1960 criou-se a possibilidade de separação da sexualidade e reprodução. No entanto, além do acesso à contracepção ser algo que somente nas últimas décadas se efetivou, nem toda a gravidez indesejada está ligada à contracepção. Por exemplo, nos casos de violência sexual, não se trata de uma falha reprodutiva. Acaba sendo uma falha quando as mulheres não têm acesso à anticoncepção de emergência. No entanto, vivemos numa sociedade que, apesar de dizer-se avançada, ainda considera que a sexualidade aceita é aquela com fins reprodutivos. Então, é mais aceitável uma mulher que, mesmo não querendo engravidar, tenha filhos indesejados do que uma mulher que decide que não quer ser mãe ou que decide abortar. A sexualidade das mulheres ainda é um campo a ser conquistado e reconhecido.
IHU On-Line – Como avalia a legalização do aborto no Brasil?
Telia Negrão – Esse é um processo de disputa com setores muito conservadores, aliados de outros âmbitos que necessitam de apoio para governar. É um tema que os políticos não gostam de tocar, a não ser quando o que está em jogo é colocar o adversário ou adversária em posição defensiva. Embora o Brasil seja um Estado laico, as religiões exercem profundas pressões, como vimos na última eleição em que a candidata Dilma foi acuada. Ademais, hoje a principal política pública para as mulheres não leva em consideração a autonomia reprodutiva das mulheres e ainda cria um Cadastro Compulsório para a Gravidez. Atualmente não há nenhum projeto em debate para legalizar o aborto no Brasil, nem para descriminalizar, já que são duas coisas bem diferentes. Há uma ação sobre anencefalia no Supremo Tribunal Federal – STF há sete anos esperando por julgamento. Enquanto isso, as 600 mulheres que têm fetos com anencefalia todos os anos no Brasil são obrigadas a pedir autorização judicial ou levar a gestação até o final, mesmo sabendo que o bebê vai morrer. Não existe nenhum caso registrado pela ciência de sobrevivência de anencéfalo.
IHU On-Line – De que maneira a mulher pode ter acesso e assistência à saúde integral e ter assegurado seus direitos sexuais e reprodutivos como direitos humanos?
Telia Negrão – Em primeiro lugar, lutando para que a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheresseja novamente recolocada no centro das políticas públicas. Outras formas são: a participação ativa nos conselhos de saúde e conselhos da mulher; em organizações de base ou do nível que queiram, não importa. A saúde é um direito que se conquista todos os dias. As usuárias do Sistema Único de Saúde – SUS precisam tomar consciência da necessidade de exigir um bom e adequado atendimento às suas demandas, não abrindo mão de serem vistas como cidadãs e mulheres na sua diversidade.
IHU On-Line – Como vê o papel da Igreja na definição das políticas públicas para as mulheres? Acredita que a religião tem um controle muito forte sobre o corpo da mulher?
Telia Negrão – Embora a Igreja Católica seja forte no Brasil, as evangélicas também são e muito ativas. Elas monitoram de perto os políticos e cobram deles o apoio que dão nas eleições. Não há efetiva separação entre Estado e Igreja, pois vivemos numa sociedade muito conservadora, patriarcal, e quase todas as religiões são patriarcais. Creio que as religiões vêm prestando um mau serviço à sociedade quando se colocam como donas da verdade sobre tudo; são donas de tudo que se pensa sobre vida e morte. Há uma enorme mistificação em torno de eventos reprodutivos, que poderiam ser tratados de uma forma mais simples. O aborto inseguro, por exemplo, é um problema de saúde pública, não tem que discutir, tem que acabar com o aborto inseguro, assegurando o acesso à educação sexual, planejamento produtivo, anticoncepção de emergência, informação, acesso ao misoprostol e ao aborto seguro; ampliação do conceito de saúde, de malformação fetal grave... Enfim, a solução pode ser no âmbito da saúde até, por exemplo, 12 semanas, como no Distrito Federal do México. Depois disso descriminalizado, podemos começar a discutir outros temas.
IHU On-Line – O que a Rede Feminista de Saúde pretende fazer para levar a discussão das políticas públicas para as mulheres à sociedade?
Telia Negrão – Continuar a evidenciar que esse é um problema de saúde pública, de direitos humanos e de injustiça social. E também desmascarar a falsa moral dos argumentos trazidos pelas religiões. Religião deve ter poder sobre seus adeptos e não sobre o Estado e as políticas públicas.
IHU On-Line – Em que sentido a senhora diz que houve uma retração na atenção integral à saúde da mulher?
Telia Negrão – Porque há três anos a área técnica de saúde da mulher do Ministério da saúde vem sendo desmontada, assim como a Comissão Nacional de Morte Materna e outras estratégias importantíssimas. Após esse desmonte, fragilização de recursos humanos e materiais, a política prioritária é a Rede Cegonha, uma estratégia evidentemente materno-infantil. Os temas de saúde integral passaram a ser tratados de forma fragmentada, focalizados no câncer de mama e de útero. Isso não é política de atenção integral, é um cesto de medidas que nem de longe têm em consideração a diversidade das próprias mulheres.
IHU On-Line – Qual o papel do Sistema Único de Saúde – SUS no que compete às políticas públicas para as mulheres? Como avalia seu papel na defesa da qualidade de vida das mulheres?
Telia Negrão – SUS é por onde as políticas são asseguradas, é por onde a atenção deve ser assegurada com qualidade. Temos um grande apreço pelo SUS. Ele é, sem dúvida, o maior sistema de saúde universalizado e público do mundo, mas isso não significa que tenha qualidade. Não tem. Não é só o problema do acesso, mas da qualidade da atenção, o que acaba levando mulheres a adoecer e morrer por razões evitáveis, haja vista a morte materna, que é evitável em 98% dos casos. Infelizmente as decisões do SUS são muito lentas, tudo precisa ser pactuado entre união, Estados e municípios. Enfim, as políticas podem ser excelentes, mas não chegam aonde as mulheres vivem.



COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,7,Apoemático,19,APPs,15,Arte,5,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,9,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,9,Diálogos,1,Diego Pignones,44,Digital,1,Documentários,121,Educar,24,Ensaios,14,Entrevistas,41,Fabio Nogueira,6,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,16,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,32,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1300,Música,87,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,17,Poesia,40,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1005,Q tem pra V,56,Rádio/TV,28,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,19,Teatro,21,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,13,Vídeos,43,Web,45,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Direitos sexuais e reprodutivos da mulher. Entrevista especial com Telia Negrão
Direitos sexuais e reprodutivos da mulher. Entrevista especial com Telia Negrão
http://1.bp.blogspot.com/-EfhaXXy44TQ/T05Ix_NAt2I/AAAAAAAAC70/8bzrCFy95cQ/s320/ampli_.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-EfhaXXy44TQ/T05Ix_NAt2I/AAAAAAAAC70/8bzrCFy95cQ/s72-c/ampli_.jpg
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2012/02/direitos-sexuais-e-reprodutivos-da.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2012/02/direitos-sexuais-e-reprodutivos-da.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy