16/03/2012

Deputado do PSDB chama servidor de ‘macaco’ e manda ele ‘procurar um pau para subir’


O deputado Carlos Alberto Leréia confirmou ter dito “vai catar um pau para subir” ao funcionário. Mas negou tê-lo chamado de macaco e alega que não tem de se identificar para entrar no plenário.


O deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) foi acusado hoje de racismo praticado dentro do Congresso. A Polícia do Senado vai investigar a ocorrência, que teve como alvo um servidor público. O boletim de ocorrência informa que o Leréia chamou o policial de pele negra de “macaco” e que mandou que ele “procurasse um pau para subir”, antes de se dirigir do plenário para o cafezinho dos senadores.

A ofensa, de acordo com o documento, começou quanto o policial, que trabalha no Senado e não na Câmara, pediu ao deputado que se identificasse. Irritado, Leréia respondeu que o servidor deveria saber quem era ele ou que, então, “procurasse na Internet porque ele não iria se identificar”. E repetiu a sugestão de “procurar um pau para subir“, ofensa testemunhada de perto por dois senadores. Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) pediu ao policial que “não retornasse mais a falar com o cidadão que se dizia deputado”. “Foi feio, o segurança usou a prerrogativa, mas ele não quis se identificar”, lembrou Valadares.

O boletim de ocorrência registra que não foi esse o primeiro envolvimento de Carlos Alberto Leréia numa ocorrência no plenário do Senado. Na ocasião anterior, ele teria mandado outro policial “tomar no c…“.

O deputado confirmou ter dito “vai catar um pau para subir” ao funcionário. Mas negou tê-lo chamado de macaco e alega que não tem de se identificar para entrar no plenário. “Ele queria que eu mostrasse a identidade”, protestou, dizendo que acha desnecessário até mesmo usar na lapela o broche de parlamentar. “Não vou mostrar a identidade no Congresso, se broche for a maneira de entrar aí (plenário), é só mandar fazer (um broche). Radialista, Leréia disse que mandou seus advogados entrarem com uma representação contra o policial.

Já o diretor-geral da Policia do Senado, Pedro Araujo, informa que, se confirmados, os fatos constarão da representação que será encaminhada à corregedoria do Senado, à qual compete pedir providências à corregedoria da Câmara dos Deputados.



.
Follow Me on Pinterest

2 comentários:

  1. Ah, a imparcialidade! Como o cara é do PSDB [E se fez o que está sendo dito deve ser severamente punido!] você não perde tempo em mandar brasa. Já o heróis dos esquerdinhas, PHA, se envolveu numa polêmica assim e nada foi dito... beleza, hein, Marcelô?!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No dia 16 de março de 2012 eu só encontrei notícia de um político do PSDB agindo com preconceito. Se você encontrou um de qualquer outro partido que tenha agido com preconceito, no mesmo dia, e eu não publiquei, manda que eu publico. Sem dúvida.

      Excluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.