07/03/2012

Para a mídia, crescimento e juros baixos são pecados

Publicado no Tijolaço

As manchetes dos jornais de hoje produzem uma estranha simbiose entre o óbvio e o absurdo.
“PIB fraco impulsiona queda de juros”, proclama a Folha, no mesmo diapasão dos grandes jornais.
E diz que isso “aumenta a pressão” para que o Banco central promova um corte maior nas taxas de juros, a fim de garantir uma recuperação da velocidade de expansão da economia.
Ora, que o Banco Central se preocupe – não circunstancial, mas permanentemente – com a expansão da economia é o óbvio ululante. Não o BC brasileiro, mas qualquer autoridade monetária, em qualquer país do mundo.

Europa e Estados Unidos, a primeira com injeções maciças de dinheiro no sistema bancário e e segundo com as duas etapas do gigantesco “quantitative easing”, uma troca de papéis do Tesouro americano que  produz o mesmo efeito, não fazem o mesmo todo santo dia?
E olhe que, ao contrário de cá, lá não há sinais expressivos de queda da inflação. A inflação na Zona do Euro, cuja meta é ficar abaixo de 2%, está em 2,7%, depois de ter batido os 3% ano passado. Nos EUA, onde o Federal Reserve finalmente resolveu-se a formalizar a meta de inflação, para os mesmos 2% máximos aceitáveis, a alta de preços supera os 2,9%.
Portanto, embora a missão dos bancos centrais, como autoridades monetárias, seja a de serem os guardiões das moedas nacionais – ou supranacionais, como o Euro – , não os descola jamais da ideia de induzir o crescimento da atividade econômica, sempre que, é claro, sua velocidade não esteja provocando situações de excessiva pressão inflacionária.
Logo, uma aceleração da economia dentro e patamares sólidos de expansão é obejtivo natural dos BCs e  leva àquela que, teoricamente, é aquela chamada “taxa neutra de juros”, ou seja, os juros mínimos par, compensada a inflação, induzir o crescimento econômico. Taxa que,enquanto aqui ainda é das maiores do mundo, em casos como o europeu e o norrteamericano é, até, negativa, pela necessidade de ativarem suas economias.
É curiosa essa visão que afirma que isso “pressiona” o Banco  Central a para uma taxa de juros menor.
Veja que interessante o uso o verbo “pressionar” para o fato de o Banco Central pagar juros menores.
Imagine o caro leitor  que alguém lhe “pressione” a pagar menos juros, em lugar de mais juros…
É o paradoxo do jornalismo econômico brasileiro: tudo que não é “a favor” do mercado, tudo que não corresponda à lógica da acumulação financeira, tudo que guarde compromisso com o interesse social em matéria econômica, desde a manutenção dos preços dos combustíveis à redução dos juros que sufocam o Estado brasileiro é visto como “pecado”.
E o fundamentalismo de mercado condena sem piedade quem o pratica.



.
Follow Me on Pinterest

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.