01/05/2012

Jornalista policial tem casa metralhada na Paraíba


Por Natalia Mazotte

Um repórter policial teve a casa alvejada a tiros na madrugada deste sábado, 28 de abril, em João Pessoa, capital da Paraíba, informou o portal Uol. O atentado ocorreu apenas cinco dias depois doassassinato do blogueiro político Décio Sá, o sexto jornalista brasileiro morto em menos de cinco meses.

Vinícius Henriques, que também é policial aposentado, estava dormindo com a família quando osbandidos efetuaram os disparos, por volta das 3h, de acordo com o site Click PB. Testemunhas disseram que os tiros foram disparados por três homens de moto. O portão da casa de Henriques e um carro que estava na garagem foram atingidos, mas ninguém ficou ferido.

O jornalista trabalha há mais de 15 anos com reportagens policiais e atualmente apresenta um programa sobre denúncias de fatos policiais na Rádio Arapuan. Segundo ele, a ação teve a intenção de intimidá-lo. “Não quero atribuir esse atentado a ninguém, mas o alvo era eu, fizeram isso para me intimidar, porque só falo a verdade, não tenho medo de nada e de ninguém (...)”, observou, citado pelo site PB Agora. O caso está sendo investigado, mas a polícia informou que ainda não há suspeitos.

Segundo o Portal Araçagi, após o atentado, outros repórteres da área policial denunciaram nas redes sociais que sofrem ameaças de criminosos em razão de seu trabalho jornalístico. O Secretário de Segurança do Estado, Claudio Lima, confirmou o risco para a imprensa paraibana. Segundo ele, o serviço de inteligência da polícia descobriu, a partir de escutas telefônicas, jornalistas na 'lista negra' de traficantes da região, noticiou o Click PB.

A Associação Paraibana de Imprensa (API) divulgou uma nota oficial de repúdio ao ato que classificou como um crime e uma ameaça a liberdade de expressão e contra o Estado Democrático de Direito, de acordo com o site Paraíba.

A escalada da violência contra jornalistas no Brasil confirma, infelizmente, uma tendência já assinalada na última classificação mundial da liberdade de imprensa publicada por Repórteres sem Fronteiras, na qual o país surge na 99ª posição, após uma queda de 41 lugares, a segunda queda mais acentuada entre os países da América Latina.

De acordo com o International News Safety Institute (INSI), no ano passado, o Brasil foi o 8º país mais perigoso do mundo para jornalistas e agora, segundo dados divulgados pela ONG suíça Press Emblem Campaign (PEC), o país está em segundo lugar no ranking de 2012, atrás apenas da Síria.

2 comentários:

  1. Em João Pessoa adotou-se a prática de que o jornalista tem que ser escrachado para permanecer na tela.E mais, a notícia não é suficiente, os repóres tiram sarro da cara dos bandidos e fazem questão de exibir imagens fortes das vítimas. Nem todo mundo é obrigado a aceitar este tipo de "jornalismo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pamela, com certeza o jornalismo tem perdido muita qualidade, em todo o país. Certamente não somos obrigados a conviver com este tipo de jornalismo circense, que nem sei dizer se é o caso da vítima sitada na matéria acima. Mas nada nos dá o direito de matar ou metralhar a casa de ninguém. Nem ninguém.
      Violência gera violência. Não é assim que construiremos um país mais democrático e com um jornalismo de melhor qualidade.

      Excluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.