29/05/2012

A velha mídia em pele de cordeiro

Imagem meramente ilustrativa
O Portal Comunique-se, já faz algum tempo, vem publicando releases positivos dos barões da mídia, principalmente das organizações Globo. Antes não era assim, não. Até este ponto, não vejo grandes problemas, pois um portal de Comunicação costuma ser alimentado de muitos releases e todos, obrigatoriamente, serão positivos para as empresas das quais fala. Mas uma matéria em especial me chamou a atenção: Policarpo e o suicídio da imprensa brasileira.

A matéria é assinada por Anderson Scardoelli, que é repórter do Portal Comunique-se, mas possui um asterisco em seu nome. O tal asterisco, ao fim da matéria, nos traz uma estranha informação do Portal que emprega o repórter:

*O texto não representa necessariamente a opinião do Grupo Comunique-se. Todo o conteúdo publicado é de responsabilidade do autor.

Por si só, este caso parece ser um inédito em matéria de liberdade de imprensa, o que também seria válido, não fossem por alguns recursos pífios de argumentação. Um dos recursos pífios é a última imagem utilizada na matéria, que visa a dizer ao leitor que tanto a Record, a Carta Capital e os 'blogs sujos', não possuem nenhuma prova e nem propriedade sobre o que falam do Policarpo, o jornalista com relações muito estreitas com um bicheiro (que insistem em chamar de empresário), o Cachoeira.

A imagem mostra Policarpo dizendo Alô e Cachoeira mudo. Na legenda da imagem, o "sem provas" fica por conta de Anderson, o jornalista que trabalha para o Portal Comunique-se mas é livre para emitir sua própria opinião.

Aproximadamente no meio do texto, Anderson faz a ligação que a mídia toda insiste em fazer: chamar as 200 ligações entre Policarpo e Cachoeira de farsa e culpar uma provável tentativa de esconder o "escândalo do mensalão". Anderson, que é contratado pelo Portal Comunique-se para expor livremente a sua opinião, diz que a mídia "AntiVeja" é quem tenta desqualificar o pobre e vitimado Policarpo, que nas palavras de Reinaldo Azevedo: "Policarpo é foda".


Se Anderson ainda faz jornalismo ou se ultimamente mantém seu contrato empregatício com o Portal Comunique-se apenas para manter sua opinião publicada pelo Portal, sinceramente não sei. O texto de Anderson traz algum fato jornalístico? Nenhum, a não ser pelo fato de Policarpo realmente se chamar Policarpo, pela Record realmente se chamar Record e assim por diante com os demais citados. Relevância jornalística? Não vi nenhuma, mas gostaria de me colocar disponível ao Portal Comunique-se, pois gostaria muito que me contratassem para publicar no Portal as minhas opiniões. Ainda que elas não expressem necessariamente a opinião da empresa (e isto é certo), e para fazer o equilíbrio argumentativo com Anderson Scardoelli, será um prazer trabalhar num Portal de Comunicação que propicia tanta liberdade e autonomia aos seus colaboradores (funcionários).

Leia a matéria toda publicada no Portal Comunique-se:

Policarpo e o suicídio da imprensa brasileira

“Cachoeira trocou mais de 200 ligações com redator-chefe da Veja”. Assim começava, em 26 de março, a saga de setores da imprensa contra o jornalista Policarpo Junior, que há mais de duas décadas cobre os bastidores de Brasília. A suposta informação estimulou sites, blogs e outros veículos a clamarem por seu depoimento à CPMI, como estratégia de atingir o alvo desejado: a revista Veja.
Parte da mídia – com os chamados “blogs sujos” e participações da TV Record e da revista Carta Capital - mostra nos últimos dois meses enorme apetite para insinuar que o jornalista e o veículo para o qual trabalha protegiam e prestavam favores ao “bicheiro”. Parecem famintos pela degradação ética de Policarpo, o que acertaria em cheio a revista na qual ele é chefe da sucursal em Brasília.
Dois meses depois do início da campanha contra o jornalista, as denúncias não se sustentaram. As 200 ligações viraram duas e o delegado da Polícia Federal, responsável pela operação que investigou o contraventor, afirmou à CPMI que a relação de Policarpo com Cachoeira não passou de mero protoloco: um profissional com a sua fonte de informação. Mas os ataques continuam insistentes, a despeito das impropriedades. Desde 25 de março, o nome do jornalista esteve relacionado ao “bicheiro” em mais de 36 mil conteúdos publicados na internet.

Nessa onda, nem mesmo a promoção conquistada por Policarpo no início do ano a redator-chefe foi poupada. Alguns raivosos preferiram associá-la a uma troca de favores por “serviços prestados de forma ilícita”. Nada provado, inclusive nos áudios que integram o inquérito.
Sem fundamento, o que parece existir é a tentativa de desqualificar um dos jornalistas que deu início às denúncias do Mensalão, escândalo que, curiosamente, é abordado pela mídia antiVeja com extrema displicência, quando não inteiramente ignorado ou tratado como “delírio dos grandes grupos controladores da mídia brasileira”.
policarpo_junior_-_nova
Setores da mídia tentam pôr em xeque a credibilidade de Policarpo Junior 
(Imagem: Divulgação/Editora Abril)

Na Veja (onde está há cerca de 20 anos) ou no Correio Braziliense, Policarpo sempre trouxe relevância em suas reportagens investigativas, algumas delas relacionadas ao “presidente interrompido” (Fernando Collor) ou ao “senador encarcerado” (Luiz Estevão). Não é só isso: em 1995, Policarpo foi ameaçado de agressão e mantido em cárcere privado pelo empreiteiro Cecílio do Rego Almeida. À época, ele apurava a denúncia de instalação de escutas ilegais no gabinete do governador do Paraná, o atual senador tucano Álvaro Dias. Ao buscar a versão do empreiteiro, em vez de respostas, o que encontrou foi a prisão no apartamento do empresário, em Curitiba. Seu currículo traz ainda registros históricos em denúncias sobre os “Anões do orçamento” e o caso Cacciola.
Além de ir a campo, produzir e editar, Policarpo investe naqueles que seguem na mesma estrada. Sob sua indicação, Veja foi buscar no Estadão o jornalista Rodrigo Rangel, primeiro a assinar uma matéria que mostrava as estreitas relações entre o senador Demóstenes Torres e o contraventor Cachoeira. Rangel é o mesmo profissional agredido por um lobista em atuação no Ministério da Agricultura.
O desejo deste setor da mídia em manchar e desclassificar Policarpo talvez fizesse algum sentido se, ao menos, amparassem o que postulam naquilo que consideram critério inegociável quando o lado que defendem é acusado: a exigência da prova. No entanto, neste vale-tudo que expõe a imprensa como parte mais frágil da manipulação política brasileira, vão se os dedos e os anéis.
Até que se prove o contrário, respeitar o trabalho e a história de Policarpo significa respeitar o jornalismo. Não se trata aqui de defender este ou aquele veículo; este ou aquele profissional. Trata-se de defender a responsabilidade e defender a imprensa de estratagemas comprometidos com fins pouco saudáveis para a sociedade.
policarpo_-_cachoeira_-_record
Sem provas, Record falou em "conexão assustadora" entre jornalista e contraventor 
(Imagem: Reprodução/R7)

*O texto não representa necessariamente a opinião do Grupo Comunique-se. Todo o conteúdo publicado é de responsabilidade do autor.


2 comentários:

  1. Ah não consegui ler tanta asneira até o fim. Esse cara quer arrumar emprego na Veja, ou a Veja pagou alguém de fora, "isento", para escrever tanta baboseira?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil mesmo acreditar em tanta isenção...

      Excluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.