08/11/2012

Entrevista com Arthur de Faria, colunista do Sul 21

O Blog Comunica Tudo entrevistou o radialista, pesquisador, músico, jornalista, mestrando em letras, arranjador, produtor musical e escritor (certamente faltou alguma coisa), Arthur de Faria. Um cara multitarefas que atua em várias mídias e possui opiniões definidas, como diria um ex-presidente, ‘duela a quien duela’. Arthur trabalhou em uma porrada de coisas, chegando a ter sido free-lancer na extinta (\0/) Veja-RS e atualmente está no dial dos rádios na a Rádio Pop Rock FM de Canoas/RS onde, como ele próprio diz, foi ficando e está há vinte anos no mesmo emprego.

Este texto estilo ‘jornalismo Wando’ acaba por aqui e seguem as falas de Arthur de Faria.

ComunicaTudo - O que veio antes, o jornalismo, o rádio ou a música?

Arthur de Faria - A música. Com 12 anos eu já sabia que queria ser músico. Aos 15, quando fui fazer vestibular, já estudava na Escola de Música da OSPA, e achei que era uma boa ter outra profissão que me desse mais dinheiro. Fiquei entre bioquímica e jornalismo. Escolhi jornalismo. Poucas vezes errei tão feio, rererere. Rádio foi um acaso. Nunca fui ouvinte de rádio. Até hoje não sou. Tava desempregado, apareceu o convite, fui ficando, ficando... em maio que vem completo VIN-TE anos no mesmo emprego!


ComunicaTudo - Como surgiu a pesquisa que mapeia a história da música em Porto Alegre? Há quanto tempo está rolando?

Arthur de Faria -
Desde guri sempre gostei muito de música brasileira dos anos 1920, 30 e 40. Até hoje um dos meus cantores preferidos é o Francisco Alves. E nem falar nos compositores geniais desses anos, Noel, Caymmi e Ary Barroso na frente, mas poderia te citar uns vinte de que gosto muito. Bom. Aí, em 1989, quando fui trabalhar na Zero Hora, comecei a fazer matérias sobre artistas nascidos na Zona Norte, já que minha primeira editoria foi o efêmero caderno ZH Zona Norte. Fiz um materião sobre o rock do IAPI, outro sobre a Elis, matérias imensas mesmo, entrevistando muita gente. Fui guardando... Em 1991, o Carlos Branco, então coordenador de música da Secretaria Municipal de Cultura, governo Olívio, concebeu uma série de CDs e fascículos sobre a História da Música de Porto Alegre. Eu era do conselho e escrevi o primeiro, sobre as Origens da música da cidade - da fundação até antes do rádio. Aí já tinha um começo e uns meios. Resolvi continuar escrevendo, sempre, meio aleatoriamente. Em 1999 de novo o Branco: vendeu um projeto pra CEEE de lançar um livro com cinco CDs contendo 100 músicas que contava a história da música do RS no Século XX. Eu escrevi. Aí nunca mais parei.

ComunicaTudo - Encontraste algum registro raro durante a pesquisa?

Arthur de Faria -
Bah. Centenas, meu. Tou publicando tudo.

ComunicaTudo - Acompanho tua coluna no Sul 21, como surgiu o convite?

Arthur de Faria -
Pois então. Os caras me propuseram uma coluna semanal sobre música. Não topei, mas contra-ataquei: vocês não se interessam por publicar meu livro de mil páginas que eu já desisti de ver em papel? Toparam. E te juro que tou achando melhor que um livro físico, pela absoluta liberdade em botar tantas fotos quanto eu quiser, tantos links quanto eu quiser, fazer os soundclouds com as músicas de que estou falando... Já temos 10 horas de música de Porto Alegre, em variados soundclouds, e eu nem cheguei nos anos 1960 ainda...

ComunicaTudo - Tens alguma opinião formada sobre a questão da Ley de Médios e a democratização dos meios de comunicação no Brasil?

Arthur de Faria -
Putz. Deveria, mas não. Nem sei o que é a Ley de Médios...

ComunicaTudo - Cara, como ouvinte do Programa Cafezinho, é inevitável de te perguntar sobre a revista do Civita. Sempre que questionado, tu mencionas as capas sobre a morte de Elis Regina ou sobre Cazuza. A Revista Veja tem sido duramente criticada por seus métodos, as ligações com o bicheiro Cachoeira, publicação de declarações ou de entrevistas que não aconteceram e por aí vai, tem como tu contar um pouco de sua experiência de trabalho na Revista Veja?

Arthur de Faria -
Foi o que me fez desacreditar no jornalismo. Tinha sido demitido da Zero, onde adorei trabalhar, fiz muita coisa e raríssimas vezes fui censurado, e aí pintou esse free-lancer fixo na Veja/RS, que hoje não existe mais. A gente ia trabalhar todos os dias, mas não era contratado. Bom, aí não cheguei a oito meses e saí fora. Nesses oito meses ganhei inimigos que, alguns, me acompanham até hoje. E tem razão: eu entrevistava os caras e aí saía (MUITAS VEZES), entre aspas, coisas que eles não haviam dito. Nem tampouco eu havia escrito. Isso era praxe. Nas matérias pra Veja nacional então, era ridículo.

ComunicaTudo - Atualmente, como tu vê o cenário jornalístico do país?

Arthur de Faria -
Peguei nojo.

ComunicaTudo - Costumas ler blogs jornalísticos? Os ‘blogs sujos’ tem tua leitura?

Arthur de Faria -
Putz. Deveria, mas não. Nem os sujos nem os limpos.

ComunicaTudo - Tens algum posicionamento político declarado (partido, ideologia)?

Arthur de Faria -
Olha, sou um cara de esquerda. Metodologicamente, marxista. Fui petista muito tempo, até o Alencar entrar de vice do Lula. Hoje sou Oliviodutrista e Fláviokoutzista. Como ambos, ao que parece, jogaram a toalha de concorrer a qualquer preço, tou meio solitário. Sobrou a Luciana Genro. Ah, essa também não tem concorrido a nada. Xiiii, acho que tou MUITO solitário.

Mas acredito num Estado Social Democrata como o melhor dos mundos possíveis. Mais que isso a história já provou que não dá certo, infelizmente.

ComunicaTudo - Certa feita, em teu Facebook publicastes um e-mail da assessoria de uma candidata a prefeitura de Porto Alegre, tem como contar aos leitores este episódio?

Arthur de Faria -
O pessoal da campanha da Manuela, que eu nem sei quem são, e não tem culpa disso - certamente não a pobre da guria que me mandou o mail, o resto eu não sei -, entrou em contato pra eu gravar um video QUE NÃO ERA DE APOIO À CAMPANHA, mas sim em homenagem ao Dia do Rock. Ah, tá. Se tivessem me convidado a gravar um video de apoio à campanha, eu teria dito que não, porque não seria ela minha candidata, e ficaria por isso. Mas subestimar a gente nesse nível eu achei um desaforo. Copiei, tirei o nome da guria, e colei no facebook. Com a minha resposta: "Olha, se tiver um video de campanha CONTRA a Manuela, me chama que eu vou". Ou algo parecido.

ComunicaTudo - Arthur tu reciclou/aboliu a TV da tua casa, transformando-a em monitor de PC e em cama para teus gatos, cara, chega a ser tipo uma desintoxicação da agulha hipodérmica da programação?

Arthur de Faria -
É desinteresse mesmo. E só pode ser assim, obviamente, porque a minha amada mulher tem o mesmo nível de desinteresse que eu. Mas minha filha, ainda que hoje seja 90% youtube e 10% TV tá neste momento vendo a tal novela boa essa que todo mundo fala, junto com a minha mãe, que veio visitar a gente. Acho que deve ter coisa boa na TV, mas não vou pagar cabo de novo nem fodendo. Tu troca 60 canais em três minutos e não tem bosta nenhuma que te prenda a atenção. Faz quatro anos que a gente não vê NENHUMA TV, eu e a Áurea. E sentimos ZERO falta.

ComunicaTudo - Como é ser um gaúcho ‘fora do eixo Gre-Nal’? Esse posicionamento já gerou alguma história tragicômica?

Arthur de Faria -
Não, acho que não...

ComunicaTudo - Gostas de futebol?

Arthur de Faria -
Poucas coisas na vida eu acho mais aborrecidas que futebol. Uma delas é a histeria patética de homens adultos discutindo sobre qual dos times escolhidos pra "torcer" joga mais bola. Não consigo fazer sinapse com a possibilidade disso ser um assunto para alguém com mais de sete anos de idade. Tou falando sério.

ComunicaTudo - E do Maradona?

Arthur de Faria -
Figuraça!

ComunicaTudo - Sei que tu és um puta fã do cineasta Emir Kusturica, já assistiu ao filme ‘Maradona Par Kusturica’?

Arthur de Faria -
SIM! Sen-sa-cio-nal. E eu resisti bravamente, mas não pulei as partes em que ele joga bola, rererere.

ComunicaTudo - Cara, e o ECAD? Dá pra fazer uma grana com esse modelo? Ou o modelo digital com ‘reconhecimento de música’ que deve ser implementado pelo Governo Federal será melhor? Ou será apenas ‘menos pior’?

Arthur de Faria -
Cara, é um assunto que eu preciso estudar melhor. Mas só o que eu garanto é que, a cada três meses, recebo da minha entidade arrecadadora, a UBC, um dinheirinho arrecadado pelo ECAD. Re-lo-gio-sa-men-te. Às vezes são dezenas de reais, já aconteceu de ser milhares. NÃO TEM que acabar com o ECAD. Tem de fazer funcionar cada vez melhor.

ComunicaTudo - Cara, tuas andanças com a música te levaram do Rio Grande do Sul, passando por São Paulo, sertão, Acre, Argentina Uruguay e Leste Europeu, tem algum lugar que ainda não foste que gostaria de ir tocar?

Arthur de Faria -
Bah, MUUUUUITOS. Dos estados brasileiros, toquei no máximo na metade. Da América Latina, só Buenos Aires e Montevideo. Da Europa, só Barcelona, Viena e Praga. E nunca toquei em Novo Hamburgo!!!

Mas acho que onde mais queria tocar, se fosse escolher, entre os lugares onde não estive, é no Japão. Todo mundo que vai tocar lá dos meus amigos volta pasmo com a recepção dos caras.

Foto de Fernanda Female
ComunicaTudo - Como vai o projeto Surdomundo Imposible Orchestra**?

Arthur de Faria -
Parado, mas em hibernação. Se pintar alguma oportunidade, a gente se reúne de novo. Mas este ano tivemos um baque tristíssimo: o Osvaldo morreu, depois de três batalhas contra o câncer. Ganhou duas. Quando a gente se encontrar de novo, a gente vai sentir muita falta dele. Eu passei dias tristíssimo. Ele era uma pessoa e um músico muito, muito, muito especial.

ComunicaTudo - O teu projeto Duo Deno trocou mesmo de nome?

Arthur de Faria -
Ainda tamos atrás, mas não é meu. É meu e do Pezão!

ComunicaTudo - Descrito no You Tube como: “Uma produção Black Maria concebida, roteirizada e dirigida por Gustavo Fogaça, o Guffo, em homenagem à pujança e a variedade da mulher gaúcha. E valorizando tudo que havia de melhor no pornô brasileiro dos anos 80. Menos o sexo.”


O clipe de Prenda Minha do Arthur de Faria e Seu Conjunto é frenético e dá ao espectador a oportunidade de, mentalmente, completar a ação da cena. Como surgiu a ideia pra esse conceito que funcionou tão bem?

Arthur de Faria -
Os méritos são todos do Guffo! Uma graaaaande sacada!


ComunicaTudo - Além de radialista, pesquisador, músico, jornalista, mestrando em letras e arranjador, ainda tu é produtor musical. Teu trabalho mais recente nesta área, o álbum ‘It’s a Clown Music! Bandinha Di Da Dó’, que tal a experiência de trabalhar com a vertente circense sem perder a essência da rua?

Arthur de Faria -
Foi um dos trabalhos mais prazerosos da minha vida. A idéia foi tentar compensar o que o disco não tem - a incendiária performance deles - com coisas que eles não podem ter sempre: muitos convidados colorindo tudo. Acho que deu certo.

ComunicaTudo - Como surgiu o ‘título’ o ‘Bregovic'*** dos Pampas’?

Arthur de Faria -
Surgiu!?!?!? Bah, quem me dera!

ComunicaTudo - O Blog Comunica Tudo já derrotou a Rainha dos Baixinhos no prêmio Top Blog, alguma mensagem em especial?

Arthur de Faria -
Queria mandar um beijo pra voxêis!!!!

ComunicaTudo – Ôtro.

* Combo que reúne músicos de Montevideo, Buenos Aires, Porto Alegre e São Paulo.

** Duo de Arthur com o baterista Fernando Pezão.

***Músico e compositor sérvio-bósnio que mistura ritmos tradicionais da Sérvia e arranjos modernos e pop.

Links dos trabalhos de Arthur de Faria:

Arthur de Faria pode ser ouvido na Pop Rock FM (www.poprock.com.br/) nos programas Vitrola Minha Vitrola (DOM 12hs), Cafezinho (SEG-SEX 12hs), Café das Cinco (SEG-SEX 17hs) e, ocasionalmente, no esportivo/futebolístico Refri, Cerveja e Água (SEG-SEX 13hs).

Facebook: https://www.facebook.com/ArthurdeFaria

Site Arthur de Faria & Seu Conjunto: http://www.seuconjunto.com.br/

MySpace do Duo Deno: http://www.myspace.com/duoduodeno

MySpace do Surdo Mundo Impossible Orchestra: http://www.myspace.com/surdomundo

Coluna de Arthur no Sul21: http://sul21.com.br/jornal/category/colunas/arthur-de-faria/

PS: Esta entrevista não existiria sem as mãos de Diego Pignones, colunista do Comunica Tudo.

0 comentários: