Necessidade ou imaginação?

Perspicácia, René Magritte, 1936 Em geral, o que um humano consegue fazer, outro consegue fazer melhor, ou refazer diferente, ou desfaze...

Perspicácia, René Magritte, 1936
Em geral, o que um humano consegue fazer, outro consegue fazer melhor, ou refazer diferente, ou desfazer para fazer de novo. A tradição que um humano cria, outro quebra. Da prisão que um humano concebe, outro descobre como escapar.

As coisas têm de ser assim, dizem-nos, porque têm de ser assim. Ouvimo-lo quando éramos crianças; quando somos adultos dizemo-lo nós. Antes não o percebíamos, e agora percebemos bem demais: o mundo está cheio de coisas sobre as quais não temos controlo.

Mas as coisas têm de ser assim, como? Inventamos teorias: teológicas ou políticas, de esquerda ou de direita. Tem de ser assim porque está escrito neste livro, A Bíblia, ou descrito naquele livro, O Capital. Há diferenças, claro, entre o fatalismo e o determinismo. Mas há também grandes semelhanças. Já repararam como há estirpes de pró-capitalismo e de anti-capitalismo que são praticamente iguais? Para uns o mercado tem sempre toda a razão, para outros o mercado tem sempre todo o poder. Para ambos, o mercado é impessoal, automático, indiferente e indivisível.

E assim chegamos à presente crise. Também dela se diz que tinha necessariamente de acontecer: porque o capitalismo foi contrariado, explicam aqueles, quando os estados se endividaram para satisfazer as populações; ou porque o capitalismo não foi contrariado, respondemos nós, quando os estados deixaram a finança à solta para satisfazer os seus donos. Em ambos os casos, a moral da história é que isto tinha necessariamente de acabar assim no mundo. E na Europa: era forçoso que o euro não funcionasse com culturas tão distintas, e portanto será também impossível fazer a União funcionar. E em Portugal: era inevitável que pagássemos pelos nossos erros, diz-se, mesmo que Wall Street, Atenas, Berlim e Bruxelas não existissem.

***

O discurso da necessidade é pois, uma moral da história. Nós acreditamos porque somos viciados em morais da história. Mas atenção: uma moral da história não é a história.

A história é que tudo isto que existe e nos avassala — os estados e as bolsas de valores, os tribunais e os exércitos, as multinacionais e as federações, as moedas e os impostos — foi feito por gente como nós. Nem mais espertos, nem mais estúpidos, se tomados na sua generalidade.

E, em geral, o que um humano consegue fazer, outro consegue fazer melhor, ou refazer diferente, ou desfazer para fazer de novo. A tradição que um humano cria, outro quebra. Da prisão que um humano concebe, outro descobre como escapar.

Esta é uma ideia tão simples que podemos passar uma vida inteira sem lhe dar a devida importância.

Não peço agora que substituam o discurso da necessidade pelo discurso da imaginação. O primeiro é um vício, e portanto difícil de largar. O segundo é mais trabalhoso. Deve então começar-se a pouco e pouco: cinco minutos por dia.

Considere-se a simples pergunta: e se esta não fosse uma crise de necessidade, mas uma crise da imaginação? Os responsáveis são responsáveis por falta de imaginação. Em consequência, a falta de imaginação é irresponsável. É por falta de imaginação que certas consequências não foram previstas. Por falta de imaginação não conseguimos pôr-nos no lugar dos outros. E é talvez por falta de imaginação que não conseguimos encontrar a porta de saída.

Esta ideia não tem de ser verdade, não há qualquer necessidade disso. Não precisa sequer de acreditar nela. Dê-lhe somente cinco minutos de imaginação por dia. Ela não é outra moral da história. É outro começo de história.

(Crónica publicada no jornal Público, de Portugal, em 3 de Dezembro de 2012. Escrita por Rui Tavares)

COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,5,Apoemático,19,APPs,15,Arte,3,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,7,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,7,Diálogos,1,Diego Pignones,42,Digital,1,Documentários,119,Educar,23,Ensaios,14,Entrevistas,40,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,15,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,31,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1298,Música,81,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,15,Poesia,39,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1003,Q tem pra V,43,Rádio/TV,27,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,18,Teatro,20,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,9,Vídeos,37,Web,44,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Necessidade ou imaginação?
Necessidade ou imaginação?
http://3.bp.blogspot.com/-8rccnxx7Cz4/UMZlUFgIFEI/AAAAAAAAFuc/fnvNMYK_2y0/s320/perspicacia+Magritte.jpg
http://3.bp.blogspot.com/-8rccnxx7Cz4/UMZlUFgIFEI/AAAAAAAAFuc/fnvNMYK_2y0/s72-c/perspicacia+Magritte.jpg
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2012/12/necessidade-ou-imaginacao.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2012/12/necessidade-ou-imaginacao.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy