18/02/2013

Google estuda cortar fundos para sites ilegais


Google está em negociações com empresas de pagamento, incluindo Visa, Mastercard e PayPal para colocar sites de download ilegal como inexistentes, cortando seu financiamento

O gigante das buscas na Web, que está envolvido em uma disputa de longa data sobre a forma como lida com material pirateado, está considerando a medida radical para que possa se ​​livrar da causa-raiz, em vez de ter de mudar seus próprios resultados de busca.


Executivos querem parar sites mais ou menos dedicados a oferecer links para filmes pirateados, músicas e livros de ganhar dinheiro com o material ilegal. Os planos, ainda em discussão, também bloqueiam o financiamento para sites que não respondem a questões legais, por exemplo, porque eles são offshore.

Se o Google segue em frente com a mudança radical, não seria a primeira vez que os sites ilegais seriam diminuídos ou expulsos do negócio tendo um bloqueio em suas fontes de dinheiro.

Em 2011, a Visa, Mastercard e PayPal, cortaram todas as doações para o WikiLeaks, o site polêmico dirigido por Julian Assange, que explodiu a tampa sobre uma série de segredos do governo por meio da publicação online de informações classificadas.

A idéia de desligar financiamento para mais sites já é popular nas indústrias de livros, música, cinema e televisão, que querem ver medidas mais duras para controlar a pirataria.

No entanto, esta é a primeira vez que o Google começou a abraçar a idéia tão facilmente.

A empresa californiana está cautelosa, já que o plano radical pode ter consequências inesperadas, por exemplo, para outras empresas usando isto para acabar com sua concorrência, mas é debatendo os detalhes que pode colocá-lo em ação na primavera.

Um porta-voz Mastercard disse: "Mastercard leva segurança online e segurança a sério. Nós trabalhamos de perto com nossos parceiros para garantir a melhor experiência possível ao usar pagamentos eletrônicos." Visa não deu nenhum comentário. Pay-Pal não retornou um pedido de comentário.

(Traduzido livremente do original publicado em The Telegraph)

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.