14/03/2013

Por que o nome Francisco foi tão bem escolhido


A pompa e a riqueza do Vaticano contrastam com o nome do santo pobre, surpreendentemente adotado pelo novo papa


Por DCM - O texto abaixo foi publicado, originalmente, no site Unisinos Humanitas. O autor é o o jornalista italiano Maurizio Chierici, e o texto saiu no jornal Il Fatto Quotidiano. Sugestivamente, o autor falava da impossibilidade de aparecer um papa Francisco, pelo contraste entre a opulência do Vaticano e a simplicidade franciscana. Pois o impensável aconteceu.

Ele morreu há quase oito séculos, mas ninguém se sentiu disposto a abraçar a sua espiritualidade e a sua dedicação absoluta à vida dos outros. “Francisco é um nome impossível para a carga de poderes com os quais, ao longo dos séculos, foi construído o papado: infalibilidade, soberania, controle na forma de todo serviço, autoridade sobre milhões de fiéis, responsabilidade de propostas. Não é uma questão de humildade pessoal. Francisco impõe uma pobreza difícil a qualquer soberano vaticano”.


O jornalista Raniero La Valle, autor da frase acima, não imagina que o próximo papa possa se lembrar disso. O que o conforta é a renúncia de Bento XVI, que restitui ao pontífice a fragilidade humana. Reevocada por Paulo VI no seu único discurso de improviso depois do Concílio: ele pediu que a Igreja se tornasse pobre ”não só no ser, mas também no aparecer”, palavras que se esvaíram com o tempo.

Diretor do jornal Avvenire, dos bispos italianos, nos anos do Concílio Vaticano II, La Valle hoje gira o mundo pela Rai em busca de notícias. A separação da Igreja da gestão dos bens é um tormento que atravessa os anos: quem também o invoca é Heinrich Böll, prêmio Nobel de Literatura que cresceu no pacifismo católico da Alemanha.

Disse Böll “Será sempre tarde demais quando a Igreja e a aristocracia se separarem das suas imensas propriedades, dos seus tesouros, das ridículas e pomposas ninharias com as quais elas continuam se adornando. Um aspecto do mundo ocidental são, justamente, as propriedades das Igrejas. Este terrível fardo pesa sobre o atormentado e sofredor líder daquela que é ainda hoje a mais poderosa das Igrejas. Quem poderia renunciar à propriedade? Quem, senão essa Igreja que não tem descendentes? E é cada vez mais tarde para isso.”

Era 1969. Em Castel Gandolfo, o Papa Paulo VI repetia as mesmas palavras: “Com este Vaticano, nunca haverá um papa chamado Francisco, porque Francisco destruía as regras humanas apenas na obediência ao Evangelho. Nenhuma estrutura piramidal, nenhuma burocracia, nenhum privilégio”. Quando Francisco descobriu que um irmão da Ordem construiu para si uma pequena casa, ele subiu ao telhado e, uma a uma, arrancou as suas telhas: que pobreza é essa se muitos irmãos se refugiam em grutas? Quem lembra isso é Ettore Masina, vaticanista e escritor que relatou o Concílio.

Francisco vinha da riqueza do pai, do qual se separou despojando-se das roupas diante do bispo e de uma multidão de curiosos. A pobreza é a vocação que o fez passar por louco. “Portanto, é impossível, nos nossos anos, que um pontífice chamado Francisco possa habitar no Vaticano. Ele deveria viver na última paróquia de Roma”.

O padre Paolo Farinella, pároco no centro de Gênova de uma paróquia sem paroquianos, viveu em Jerusalém. Estudou hebraico, aramaico e grego. Tem duas graduações em teologia bíblica. Em 2000, publicou o romance Habemus Papam, Francesco I. Dez anos depois, ele o reescreveu com o título Habemus papam. La leggenda del papa che abolì il Vaticano [A lenda do papa que aboliu o Vaticano], mas a história não muda.


Basílica de São Pedro: a pompa contrasta com a frugalidade franciscana

Ele conta a história de um pároco genovês chamado a Roma, onde os Padres do conclave não chegam a um acordo, e um cardeal que conhece as virtudes do pequeno padre faz a excêntrica proposta: e se escolhêssemos alguém assim? Pároco desarmado nos círculos da burocracia vaticana. Papa ideal nas mãos dos manipuladores. Eis a surpresa: assim que lhe perguntam “quomodo vocaberis?”, como você quer se chamar, o velho padre responde: “Francisco”.

E, quando, do trono, se dirige ao povo, a voz não treme: “Escolhi o nome de Francisco não por um capricho político, mas sim para que ele permaneça como marca de fogo na minha carne. Deve ser um lembrete constante a levar a sério o Evangelho: a caridade como lei, a pobreza como estilo, a comunhão como método”.

A multidão observa, perplexa, os paramentos que brilham. “Eu sei perfeitamente o que vocês estão pensando: prega bem, mas pratica mal”. Com lentidão exasperada, começa a se despojar. “Deponho esta férula de prata: como diz Marcos, não levem para a viagem nada mais do que um bastão. Deponho este chapéu anacrônico: mais do que um pastor, ele me mostra como um sátrapa oriental”. Ele se desfolha como uma cebola: do anel de zafira, da cruz de ouro maciço, dos paramentos “luxuosos que deveriam render glória a Deus e se tornam ofensa para os pobres”.

Ele fica com uma túnica branca. “E, por um momento, bispos e cardeais se envergonharam por não estarem nus como Adão e, olhando-se adornados pelos mantos no espelho da sua alma, se reconheceram ridículos”.

0 comentários: