01/04/2013

A Ditadura que sai e a que fica - As Rapidinhas do Sr Comunica


A ditadura militar brasileira já disse para que veio desde o dia de sua instalação: 1º de abril de 1964. Chegou no dia da mentira para instaurar violência, dívida, corrupção, estupro, homicídio e muitas outras coisas, além da falsidade. Oficialmente, a ditadura deixou o poder em 1985, mas o que ela nos deixou, para mais do que o desmonte do Estado, foi uma cultura patriarcal, machista, violenta, corrupta, mentirosa e injusta, visto que até hoje nenhum dos torturadores militares e demais responsáveis foram condenados. Andam todos impunes por nosso país, diferente do que ocorreu e ocorre em países hermanos da América Latina.


Nesse momento me lembro das vozes de hoje dizendo que os políticos no Brasil são corruptos e nunca são punidos. Não sei se fico feliz porque a maioria deles nunca torturou ou estuprou crianças, como fizeram os militares durante a ditadura, dentre tantos outros crimes. Não sei se fico triste por esta herança de impunidade que assola o Brasil até o dias atuais, fruto de uma cultura opressora e insana que muitos brasileiros abraçaram para chamar de sua.

Não foi somente uma cultura distorcida e perversa que a ditadura militar brasileira nos deixou de herança. Mais do que isso, deixaram a educação nacional em frangalhos, tão burra e estúpida como nunca se viu; deixaram um oligopólio de comunicação dos mais anti-democráticos que se possa conferir; deixaram, enfim, a res publica destroçada, tudo em favor da propriedade privada de pequenos grupos (nacionais e estrangeiros).

As poucas coisas que crescem neste país são a desnacionalização de nossas indústrias, batendo recordes a cada ano que passa, além de um franco processo de desindustrialização. De certo modo, por todo esse empobrecimento nacional, devemos agradecer ao grande trabalho iniciado lá na década de 40 pelos EUA e perpetuado até hoje por toda sorte de imbecis, tiranos e individualistas de todos os tipos.

Não bastasse isso, ainda temos um Feliciano para defender os Direitos Humanos, um Blairo para defender o Meio Ambiente, um Paulo Bernardo para defender a comunicação e um povo que ainda não conseguiu afastar o "cálice" de si. Para nos livrarmos de uma vez por todas da Ditadura, será preciso punir todos os culpados por 21 anos de barbárie nesse país, além de uma série de medidas políticas que visem a restabelecer, de fato, a democracia com a qual sonhamos, longe de oligopólios, violências escondidas, desmandos e injustiças.

Um comentário:

  1. Estamos entregues às grandes corporações, que implantam vastas extensões de eucalipto, criam empregos de alta qualidade em seus países de origem, agregam valor à terra e ao sol brasileiros, exportam água embutida em seus produtos e nos deixam com os danos ambientais. Vale o mesmo para o agronegócio.

    Estamos entregues em Carajás, com o fenomenal trem que arranca o minério num ritmo que não obedece a prioridades brasileiras, mas às necessidades de lucro da associação entre o grande capital internacional e o trabalho escravo chinês, que produz as bugigangas posteriormente exportadas para os Estados Unidos, via Wal Mart, para entre outros motivos manter baixa a inflação e dar à classe média local a sensação de que ela consome, logo existe!

    Como se diz no Amapá, foi o manganês da Serra do Navio que financiou o Plano Marshall!

    Estamos entregues na transformação dos rios amazônicos em fontes de energia para as grandes mineradoras; Tucuruí nasceu do interesse do Japão de se livrar de suas indústrias eletrointensivas e poluentes. O Brasil fica com o trabalho sujo, enquanto eles desenvolvem alta tecnologia e os empregos do futuro em solo japonês.

    Nada disso é discutido com profundidade em nossa grande mídia.

    http://www.viomundo.com.br/opiniao-do-blog/o-leitor-que-me-fez-mudar-de-ideia.html

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.