21/05/2013

A ministra dos caras pálidas

Gleisi Hoffmann simboliza a opção do governo Dilma pelos ruralistas em desfavor dos índios

Você mede socialmente uma administração pela forma como os desvalidos são tratados.

Olhe para os índios, e você vai ver quanto o Brasil tem que avançar no desenvolvimento social – a despeito das frequentes autocongratulações do PT.

Pobres índios.


Eles devem ter imaginado que, com um governo de raízes populares, sua vida melhoraria.

Talvez a mesma ilusão tenha tomado os moradores de Pinheirinho, o assentamento destruído há pouco mais de um ano em São José dos Campos.

Bem, a realidade é diferente. Nada mostra tão claramente o quanto o PT está engessado nas reformas sociais de que o país tanto necessita quanto a relação do governo Dilma com os índios e, do outro lado, com os ruralistas.

A opção pelos ruralistas é torrencial.

A ministra da Casa Civil Gleisi Hoffman personifica isso. No começo de maio, na Câmara dos Deputados, ela desqualificou diante de uma plateia de ruralistas um dos raros apoios com os quais os índios contam: a Funai.

Foi aplaudida.

A Funai é um órgão envolvido com os interesses indígenas e, portanto, não é imparcial, disse ela. Gleisi colocou sob suspeição a competência da Funai para desenvolver as atribuições que estão sob a sua responsabilidade.

Dias depois, ela disse que “o governo não pode e não vai concordar com minorias com projetos ideológicos irreais”.

Irreais?

Um momento: preservar o resto do resto de terras indígenas é irreal?

Mudaram os índios, mudaram os fatos – ou mudou o PT?

“O PT no poder parece que esqueceu toda a trajetória que o construiu”, disse recentemente um ativista dos direitos indígenas. “É doloroso que a sociedade, à frente os povos indígenas, tenha que partir para o confronto contra o PT-Governo para evitar que este se afunde no agronegócio dilapidador da biodiversidade e para impedir a exploração predatória.”

Como isso aconteceu?

O governo Dilma Rousseff é hoje refém da bancada ruralista. Sem ela não aprova projetos como a MP dos Portos.

Escreveu um outro ativista: “A bancada ruralista chantageia, joga pesado, barganha. Sabe como enredar o governo porque joga de forma unitária, classista, não titubeia na defesa dos seus interesses. Há análises que interpretam que o maior partido no Brasil é o ‘partido dos ruralistas’.”

Continua ele: “Na ótica do governo, afrontar os ruralistas é empurrá-los para o apoio a outras candidaturas. Nas articulações políticas visando 2014 não é bom tê-los como inimigos, avalia o Palácio do Planalto. Sabe-se que o apoio dos ruralistas foi importante para a vitória de Dilma Rousseff em estados da região centro-oeste. As articulações para reeleição de Dilma contam com o apoio senão de todos, de parcela significativa dos ruralistas.”

Ouça agora a antropóloga Spensy Pimentel: “Num país como o Brasil, o bom trato com a questão indígena ajuda a definir o grau de nobreza de um governo. Porque os indígenas, aqui, não são expressivos, em termos eleitorais, mas eles são um componente da mais alta relevância no que se refere a nossa história e nossa identidade como brasileiros”.


Mas não dão votos e nem ajudam a passar projetos do governo no Congresso – e por isso são desprezados.

(Publicado no DCM)

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.