01/07/2013

Por que a Noruega está tão na frente do Brasil em desenvolvimento social

Lá não é socialmente aceito, por exemplo, que grandes empresas — como a Globo faz no Brasil — deixem de pagar o imposto devido mediante artifícios legais mas imorais


Acaba de sair uma nova lista que traz o índice de desenvolvimento humano no planeta, o IDH.

Não foi surpresa, na lista, a estupenda posição dos países escandinavos. E este é meu ponto: por que eles ainda hoje não são referência de progresso social para o Brasil? Por que, sendo tão inspiradores na combinação de liberdade de mercado com proteção do Estado à sociedade, são ignorados nos debates?

Vou sempre que posso à Escandinávia. Já no aeroporto você sente que está num lugar especial.

Na lista em questão, a Noruega ficou em primeiro. Suécia, Dinamarca, Finlândia e Islândia estavam entre os primeiros 20 colocados.

Se você der um Google em busca dos diversos levantamentos que aferem o grau de satisfação das pessoas de um país, a Escandinávia sempre aparece no topo. Minha primeira temporada escandinava se deu na Dinamarca, onde fui em 2009 para escrever uma reportagem sobre as razões de ela costumeiramente ser a campeã na satisfação.

Foi lá que conheci a Janteloven, as leis de Jante, uma cidade imaginária criada por um romancista escandinavo que simboliza o espírito local. Basicamente, ninguém tem o direito de se sentir melhor que ninguém. Lembro de um lixeiro de Copenhague que, nas horas vagas, era técnico do time de handebol da escola pública – e boa – de suas filhas adolescentes. Numa escala de 0 a 10, ele definiu como 8 o seu grau de satisfação.

Pense na sua e veja quanta coisa temos a aprender com a Escandinávia.

Outro dia o Diário publicou um artigo sobre o que significa ser mãe na Noruega. Por exemplo, licença maternidade de 11 meses com salário completo e volta garantida ao trabalho, ou 13 meses com 80% do salário. Fora isso, um subsídio do governo é oferecido à mãe que queira ficar mais tempo em casa com as crianças.

Um sinal do foco nas crianças é o desfile no Dia Nacional da Noruega, 17 de maio. Em quase todos os países, você vê paradas militares. Na Noruega, quem sai às ruas são as crianças.
Desfile de 17 de maio

Lá, é socialmente inaceitável não pagar os impostos justos. A sociedade estabeleceu um consenso segundo o qual os impostos são o preço a pagar para você viver num ambiente quase utópico. Escola gratuita, saúde gratuita, nada de contrastes chocantes entre riqueza extrema (de poucos) e pobreza miserável (muitos).

Você não consegue imaginar, no ambiente norueguês, uma empresa bilionária como a Globo fugindo tão abertamente, tão descaradamente dos impostos, com a conhecida prática da PJ. Você também não consegue imaginar um âncora de tevê como Boris Casoy dizendo que lixeiro não pode ser feliz. Você também não consegue imaginar uma jornalista da estatura de Mônica Waldwogel zombando, histericamente, de ciclistas diante das câmaras.

Se eu for fazer a lista das coisas brasileiras que você não consegue imaginar na Escandinávia, ficaremos aqui alguns anos.

O Diário se orgulha de ter, desde seu nascimento, fixado na formidável Escandinávia um modelo a ser perseguido. E, de pé, manda aplausos entusiasmados para a campeã de IDH Noruega e seus maravilhosos vizinhos.

Clap, clap, clap.

Mais uma vez: clap, clap, clap.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.