27/11/2013

EUA acelera a destruição do mundo, segundo Noam Chomsky


Da Crise dos Mísseis de Cuba em um frenesi de combustíveis fósseis, EUA tem a intenção de ganhar a corrida para o desastre. Essa é a visão do filósofo, lingüista e ativista Noam Chomsky.

"Pela primeira vez na história da espécie humana, temos claramente desenvolvida a capacidade de nos destruir. Isto tem sido verdade desde 1945. Agora, finalmente, é reconhecido que existem processos de longo prazo, tais como a destruição ambiental que leva na mesma direção", diz Chomsky em seu último ensaio, publicado em Tomdispatch.com.

Segundo o lingüista, sociedades menos desenvolvidas estão tentando superar ou atenuar essas ameaças. "Eles não estão falando de uma guerra nuclear ou desastre ambiental, e estão realmente tentando fazer algo sobre isso", diz ele.

O filósofo destaca as políticas de países como a Bolívia, que tem "uma maioria indígena e normas constitucionais que protegem os direitos da natureza" e Equador, que também tem uma grande população indígena e é o "único exportador de petróleo que conheço onde o governo procura ajudar para que o óleo permaneça no chão em vez de produzir e exportar; está no chão ao qual ele pertence".

Segundo Chomsky, na outra extremidade as sociedades "mais ricas e poderosas na história do mundo como os Estados Unidos e Canadá, correm a toda a velocidade para destruir o meio ambiente o mais rápido possível. Ao contrário do Equador e das sociedades indígenas de todo o mundo, querem extrair até a última gota de petróleo do solo o mais rápido possível. ”

A outra questão que Chomsky discute é a guerra nuclear . "Acabamos de ter o 50 º aniversário da crise dos mísseis, que foi considerado o momento mais perigoso da história pelo historiador Arthur Schlesinger, assessor do presidente John F. Kennedy. Contudo, o pior desses eventos nefastos é que não se aprendeu a lição", disse.

"Agora a questão nuclear está muitas vezes nas manchetes, como a Coréia do Norte e Irã", disse o ativista.

Os recentes exercícios militares na Coreia do Sul e os EUA, na península coreana deram lugar às ameaças de Pyongyang para conduzir um ataque nuclear, a partir do ponto de vista do Norte que soaram ameaçadores. "Nós veríamos como ameaçadores se ocorressem no Canadá e se nos tivessem como alvo", acrescentou.

"Isso definitivamente desperta alarmes do passado. Eles recordam esse passado, assim que reagem de modo muito agressivo e radical. Não é que não haja alternativas, mas as alternativas não são implementadas. Isso é perigoso. Então, se alguém se pergunta com o que se parece o mundo, não é uma imagem bonita. A menos que as pessoas façam algo sobre isso", diz Chomsky.

Fonte: http://actualidad.rt.com/actualidad/view/96580-chomsky-eeuu-destruccion-mundo

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.