11/04/2014

Em repúdio à violência policial contra jornalistas


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro cobra do governo, das autoridades da Segurança Pública e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, assim como do Ministério da Justiça, providências imediatas para garantir a devida e rigorosa apuração dos desvios de conduta policial ocorridos na operação militar realizada na manhã desta sexta-feira (11/4) na Favela da Telerj, no Engenho Novo, Zona Norte da cidade. Manifestamos absoluto repúdio às violações aos direitos humanos e à democracia que foram perpetradas pela Polícia Militar na operação. Entre os presos e feridos, o repórter Bruno Amorim, do jornal O Globo, foi rendido com uma chave de braço por PMs, que arrancaram os seus óculos, apreenderam o seu celular, filmaram o seu rosto e o levaram preso para a 25ª DP (Rocha), de onde foi liberado horas depois.

Outros jornalistas também foram ameaçados, agredidos e alvos de bombas lançadas de um helicóptero por policiais militares. Carros de imprensa foram incendiados por manifestantes, em atitude que também repudiamos. Tratou-se, de acordo com os relatos, da mais violenta ação conjunta da PM de censura e repressão voltada contra jornalistas. Ficou claro que o cerceamento ao nosso exercício profissional teve o notório propósito de impedir o registro das violações de direitos humanos praticadas pela PM na operação de retirada da população da favela.

Em defesa dos interesses coletivos e individuais da nossa categoria, o Sindicato exige ainda que o governo e as autoridades de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro garantam o fim dessa política de perseguições e ataques de policiais militares contra os jornalistas. Estudamos as medidas cabíveis para responsabilizar o Estado não só pelos abusos verificados nesta manhã, como também pelo sistemático cerceamento que a nossa profissão tem sofrido historicamente por meio de intimidação e violência armada.

Essa realidade pode ser comprovada no relatório que produzimos sobre os casos de agressão contra 49 jornalistas ocorridos entre maio e outubro de 2013. Do total de casos, mais de 70% foram de autoria de PMs. A denúncia foi levada à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), em audiência temática sobre a violência nas manifestações no Brasil.

Por fim, conclamamos as organizações locais e internacionais de direitos humanos a pressionar o Estado para a adoção de uma política de segurança pública que não represente ameaça à vida, à liberdade de expressão e aos direitos humanos de modo geral, mas que seja capaz de garantir e promover esses valores. Não existe democracia sem jornalismo. Não existe jornalismo sem liberdade.

(Por Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro)

INFORME: Independente, o Comunica Tudo é mantido por um único autor/editor, com colaborações eventuais de outros autores. Dê o seu apoio a esta iniciativa: clique nas publicidades ou contribua.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.