Deixar de trabalhar aos 30 anos? Yes, we can

Joe e Ali Olson eram professores, ele de filosofia, ela de inglês. Hoje viajam pelo mundo. Conheça esta história de investimento e poupan...


Joe e Ali Olson eram professores, ele de filosofia, ela de inglês. Hoje viajam pelo mundo. Conheça esta história de investimento e poupança.

Escrito por: Joana Rebelo Morais

Joe e Ali conheceram-se na universidade, casaram ainda antes de terminarem os cursos e passaram a partilhar o apelido Olson. Ele estudou filosofia, ela inglês, duas profissões com pouca saída nos Estados Unidos, além do ensino. Durante oito anos deram aulas. Sentiam-se felizes, mas tinham outros planos. Queriam viajar pelo mundo, ter filhos e ser pais presentes. E acharam que a concretização desses sonhos não se coadunava com um trabalho a tempo inteiro. Para poderem deixar de trabalhar, precisavam de independência financeira. E conseguiram. “Reformaram-se” quando Joe tinha 31 anos e Ali 30. O segredo? Imobiliário.

O Dinheiro Vivo falou com o casal norte-americano – que agora viaja pelo mundo na companhia da filha Annabelle, de um ano – sobre esta história que não é só de investimento, mas também de poupança. Escolheram o imobiliário pela elevada e rápida rentabilidade. Começaram a investir em 2007 e a primeira experiência não foi a melhor. O primeiro imóvel que compraram, por 114 mil euros, chegou a desvalorizar para 76 mil. Mas à medida que o mercado imobiliário continuou a afundar, arrastado pela crise financeira, continuaram a comprar. Hoje têm 15 imóveis, no valor de quase 950 mil euros. Têm um rendimento mensal superior a 12 mil euros e gastam menos de dois mil em hipotecas.

Deixar os empregos foi a parte mais assustadora. Joe explicou que tinham definido uma série de objetivos necessários parar dar este passo, mas que acabaram por deixá-los cair e despediram-se antes do planeado. “Decidimos arriscar. Podíamos sempre arranjar forma de ganhar dinheiro, mas o tempo perdido nunca recuperaríamos. Não nos arrependemos por um segundo e devíamos tê-lo feito antes.” Ali explica que “preferiram a possibilidade de ter que voltar a trabalhar do que continuar, ano após ano, para garantir que nunca mais iam precisar de dinheiro”.

Diz a sabedoria popular que o dinheiro não é de quem o ganha, é de quem o poupa. E Joe e Ali conseguiram poupar 75% do rendimento. Joe conta que os grandes cortes foram feitos “na habitação, nas deslocações e na alimentação”. Mudaram-se para um apartamento de 38 metros quadrados e uma hipoteca de menos de 475 euros mensais. Tinham só um carro e faziam todas as refeições em casa. “Os nossos amigos e família perguntavam quando nos mudaríamos para uma das nossas propriedades com três quartos e 170 metros quadrados. Mas éramos felizes assim e nunca sentimos que estávamos a privar-nos de nada”, contou. Ali acrescentou que o melhor conselho para quem quer poupar mais é que “não é preciso muito para ser feliz”. Planos para o futuro? “Está em aberto”. Para já, uma viagem de autocaravana pelo Canadá e pelo México e, quem sabe, “mais filhos”. Pode acompanhá-los através do blog Adventuring Along.

Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), não se surpreende com a história de Joe e Ali: “Quem comprou ativos nos anos que se seguiram à bolha imobiliária de 2008 comprou muito bem.” No estado da Florida, os preços caíram entre 80% e 90% depois de 2008 e “houve muitos pequenos investidores a comprar ativos e a realizar mais-valias, como o casal”. O mesmo aconteceu em Portugal, diz. “Os bancos venderam por valores de que hoje, acredito, se arrependem. Com o receio da bolha imobiliária, reduziram-se muito os preços.” De acordo com Luís Lima, “quem comprou na altura seis ou sete ativos hoje podia estar reformado”, graças à grande valorização do mercado imobiliário português. “Para quem tem dinheiro não há nada em Portugal, neste momento, mais tentador e que dê mais rentabilidade do que o imobiliário”, afirma.

Embora seja um investimento rentável, o imobiliário não é para todas as carteiras. E, ao contrário do que aconteceu em 2008, hoje “há muita procura e pouca oferta, o que leva a que os preços subam”, diz Luís Lima, justificando este facto com o normal funcionamento do mercado. Além disso, importa lembrar que, no início da crise, houve uma “desvalorização forçada” e que a valorização que depois ocorreu não deverá repetir-se. “Neste momento, aconselho as pessoas a serem cautelosas”, diz o presidente da APEMIP. 

A localização do imóvel ainda representa, de acordo com Luís Lima, mais de 50% da decisão de compra, mas não devia ser assim: “O mais importante é saber se temos dinheiro para comprar.” Luís Lima desaconselha altamente que “se esteja 100% dependente do financiamento para cobrir o valor total do ativo”. O investidor deve ter “uma capacidade muito boa de aforro para não estar dependente do financiamento e reagir emocionalmente, sobretudo com a pressão dos bancos, quando começam a alterar spreads e taxas. E a Euribor vai voltar a valores normais”. 

Além disso, o investidor tem de se informar, estudar o investimento e fazer um plano: “Não é só comprar, porque nem todo o mobiliário valoriza.” Além disso, “o tempo de comprar ao desbarato, porque as pessoas estavam pressionadas a vender e estavam sufocadas pela crise, já não existe, ou pelo menos não tanto, porque as coisas melhoraram”, afirma o especialista.

Publicado originalmente em: https://www.dinheirovivo.pt/economia/galeria/deixar-de-trabalhar-aos-30-anos-yes-we-can/

INFORME: Independente, o Comunica Tudo é mantido por uma única pessoa, com colaborações eventuais. Apoie este projeto: clique nas publicidades ou contribua.

COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,5,Apoemático,19,APPs,15,Arte,3,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,7,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,7,Diálogos,1,Diego Pignones,42,Digital,1,Documentários,119,Educar,23,Ensaios,14,Entrevistas,40,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,15,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,31,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1298,Música,81,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,15,Poesia,39,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1003,Q tem pra V,44,Rádio/TV,27,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,18,Teatro,20,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,10,Vídeos,37,Web,44,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Deixar de trabalhar aos 30 anos? Yes, we can
Deixar de trabalhar aos 30 anos? Yes, we can
https://4.bp.blogspot.com/-x4EdJVI5cis/WMdQgouIJoI/AAAAAAAAM8o/amdZzDmUrbMLyKPkVgINhx61bBIsE__1QCK4B/s320/5-3.jpg
https://4.bp.blogspot.com/-x4EdJVI5cis/WMdQgouIJoI/AAAAAAAAM8o/amdZzDmUrbMLyKPkVgINhx61bBIsE__1QCK4B/s72-c/5-3.jpg
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2017/03/deixar-de-trabalhar-aos-30-anos-yes-we.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2017/03/deixar-de-trabalhar-aos-30-anos-yes-we.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy