29/06/2017

Dublin: quantos dias ficar e o que fazer?


Dublin é uma daquelas cidades que nos deixa indecisos com a quantidade de dias que se deve ficar. Além disso, as pessoas costumam visitar apenas o básico em Dublin, gastando apenas um dia na cidade dos trevos. A minha proposta aqui é uma visita de 3 dias e em que se misture o básico com o diferente, dividindo as atrações que irá visitar. Assim, o roteiro não fica tão básico e você conhece coisas peculiares e únicas da cidade.

O hotel que me hospedei ficava na Parnell Street, extremamente próxima de um dos hotspots da cidade, a O’Connell Street. Recomendo um por aquela região, que é bem central e pertinho de tudo.

Dia 1 (mapa disponível aqui)

Comece seu primeiro dia passeando pela O’Connell Street e visitando o monumento conhecido como The Spire, que fica no centro da avenida. Na altura do monumento, do lado esquerdo da avenida, pare para tirar foto com a estátua do lendário escritor de “Ulysses”, James Joyce, que fica na rua Earl Street North. No final dela, próximo à ponte, está outro ponto turístico: o monumento de O’Connell. Atravesse a ponte O’Connell e continue pela Westmoreland Street para a primeira atração com entrada paga do dia: o Trinity College.

O College é um campus universitário muito antigo, o prédio mais velho tem cerca de quatro séculos, e a visita pelo campus é muito interessante. Não é muito longa, dura apenas 35 minutos, porém vale a pena por conta da visita a uma parte muito peculiar da universidade: a Trinity Library, uma das bibliotecas mais lindas do mundo. Para comprar o bilhete, basta informar na entrada e aguardar a próxima tour.

Parte da visita guiada: a biblioteca.



Acabada a tour, siga pela rua College Green, vire à esquerda em Church Lane e depare-se com a estátua da famosa personagem dublinense: Molly Malone. A estátua fica na frente da igreja St. Andrews, que também vale uma visita rápida, caso tenha interesse.

Siga pela rua St. Andrews e vire a direita em Trinity Street para retornar para onde estávamos. Siga reto pela Dame Street até ver uma rua em curva, a Cork Hill. Entre nela e visite o Castelo de Dublin. Não acredito que uma visita guiada seja necessária, eu consegui visitar tudo apenas com o mapa fornecido na entrada, porém, caso deseje, é possível. O ingresso para entrar no Castelo sem a tour guiada é um pouco mais barato. Saindo do Castelo, você está próximo do Temple Bar. Pare para almoçar em algum pub.

Siga pela Castle Street até a nossa próxima parada, a Catedral de Christ Church. Esta Catedral é maravilhosa e eu recomendo fortemente que a visitem por dentro. Ela possui uma ligação em forma de passarela suspensa com um museu da história de Dublin, “Dublinia”. O passeio conta a história desde os vikings, passando pelo período medieval, etc. Caso tenha interesse neste passeio, visite primeiro o museu, pois a saída é feita através da passarela e passa-se pela Catedral de qualquer maneira.


Para o passeio da noite, você pode voltar caminhando ou pegar um táxi/ônibus, se achar melhor. Hora de apreciar as luzes de Temple Bar. O principal pub é The Temple Bar, nomeado em homenagem ao bairro e não vice-versa, com suas luzinhas maravilhosas e sua movimentação.


Temple Bar é o local dos músicos de rua e dos bares. Se você é fã da banda The Swell Season, provavelmente sabe que o músico Glen Hansard costumava tocar nas ruas do Temple Bar antes de gravar seu primeiro disco.

Aproveite a noite e os pubs!

Dia 2 (mapa disponível aqui)

Comece o segundo dia no Dublin Writers Museum, o museu dos escritores dublinenses. De lá, siga pela Parnell Square North, vire à esquerda na Parnell Square West e siga até o cruzamento com a Parnell Street. Siga nela até virar à esquerda em Capel Street e, então, siga até a beira do rio. Vá caminhando pela beira do rio Liffey e verá à sua direita um grande prédio: o Triunal de Justiça. Passando este prédio, vire à direita em Church Street e siga até a igreja St. Michan’s.

O local de entrada para a cripta.
Não, esta igreja não é uma das principais da cidade. A razão de estar aqui, porém, é que ela fornece uma oportunidade única: visitar uma cripta e tocar (sim, você poderá tocar) uma múmia da época das Cruzadas!!! A igreja é pequenina e o senhor que realiza a tour para a cripta é deveras simpático. Eu considero esta atração um must! A fotografia não é permitida lá dentro (por razões óbvias), logo, só visitando para crer.

Deste ponto, você terá duas opções para visitar: a cervejaria Guinness ou a destilaria Jameson. Caso deseje visitar as duas, deixe uma para seu último dia na cidade. Ambas são fábricas de bebidas extremamente populares na cidade (no país todo, na verdade). Realize o passeio guiado e deguste várias cervejas e/ou uísques! A destilaria é bastante próxima do ponto anterior no nosso roteiro, porém a cervejaria fica um pouco afastada. Recomendo que, se sua opção for a Guinness Storehouse, vá de táxi ou ônibus; além disso, faça a reserva de sua tour online antes de visitar…costuma estar cheio.

Encerre seu dia com uma visita à antiga prisão Kilmainham Gaol, agora um museu de beleza exótica. O prédio foi inaugurado como prisão em 1796 e apenas parou de operar como tal em 1924. A única maneira de visitar é através da tour guiada, então recomendo que garanta os ingressos online previamente.

Para a noite, recomendo um passeio pela Talbot Street ou um retorno ao Temple Bar, inexaurível em opções.

Dia 3 (mapa disponível aqui)

Inicie o último dia próximo à ponte Ha’penny. Desça pela beira do rio até a Custom House. De lá, a próxima parada será a Galeria Nacional da Irlanda para um pouco de arte. Lá, você poderá apreciar Vermeer, Monet, Caravaggio e o pré-rafaelita, Frederic William Burton. Saindo da galeria, visite a Merrion Square, onde está a estátua do meu escritor favorito de nacionalidade irlandesa (e quiçá de todas), Oscar Wilde.


Depois de garantir sua foto com a belíssima estátua e de apreciar as demais obras de arte dedicadas ao autor, siga pela Merrion Street Upper e vire à direita em Merrion Row. Adentre, então, o parque St Stephen’s Green. Cheio de estátuas e homenagens, o parque é ideal para relaxar, observar a natureza e tirar fotos.

Siga pela Kevin Street Lower até chegar na Catedral de St Patrick, a famosíssima. Faça uma visita por dentro da Catedral e relaxe em seus jardins. Curiosidade: o autor Jonathan Swift de “As Viagens de Gulliver” está enterrado lá.


Caso tenha decidido visitar uma das duas fábricas neste dia, siga para lá. Caso contrário, volte para o centro para algumas comprinhas (experimente a loja Penneys, que é o equivalente da Primark de Londres).

(Via Mandy Affonso, do Perambularte)

VOCÊ é muito importante para nós. Queremos ouvir SUA VOZ. Deixe seu comentário abaixo, após 'Related Posts'. Apoie este projeto: clique nas publicidades ou contribua.

0 comentários:

DEIXE SEU COMENTÁRIO. SUA VOZ É IMPORTANTE.