Alguma mudança no Ensino Médio?

A crença de que reformas curriculares podem mudar a educação está em alta entre educadores brasileiros. A expectativa de reforma no Ensin...


A crença de que reformas curriculares podem mudar a educação está em alta entre educadores brasileiros. A expectativa de reforma no Ensino Médio despertou um debate amplo entre professores, associações de pesquisadores e profissionais, estudantes, governos e a mídia. No centro da discussão, além da vexatória e autoritária proposta de reforma por meio de medida provisória, havia a questão do desenho do novo Ensino Médio e sua composição curricular. Pouco se discutiu sobre estratégias e concepções mais amplas sobre o papel desta etapa escolar e dos procedimentos existentes nas práticas educacionais.

Entre críticos e defensores da proposta de reforma havia uma constatação: o Ensino Médio atual é o principal desafio e o grande gargalo no sistema educacional brasileiro. O número de matriculados se mantém estável e não há expansão quantitativa ou qualitativa nesse nível escolar. Os três anos de formação são, grosso modo, desperdiçados em uma estrutura com muitas disciplinas e poucos resultados significativos na aprendizagem.

A proposta governamental de criar um sistema em que haja “itinerários formativos” no lugar das tradicionais disciplinas foi recebida com grande reticência. A proposta não é nova, nem foi formulada originalmente pelos atuais ocupantes do Executivo, mas tornou-se quase indefensável ao suprimir o diálogo e nem permitir que as e os estudantes do país possam escolher, de fato, entre os diferentes modelos de Ensino Médio. O poder público não está obrigado a oferecer em todas as escolas ou mesmo localidades os itinerários propostos: linguagens e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e sociais aplicadas e formação técnica e profissional.

Considerando a precariedade e a complexidade da educação no Brasil, não é difícil supor que municípios e Estados mais pobres não tenham muitas alternativas a oferecer e, dessa maneira, um dos chamarizes para o novo Ensino Médio, a opção entre caminhos possíveis não passará de uma grande falácia.

Estudantes serão submetidos a um mesmo itinerário, na maior parte das vezes, e a evasão e a precariedade na formação tendem a aumentar. Os vestibulares e as universidades sentirão esse impacto imediatamente, pois o Ensino Médio assegurará apenas que Língua Portuguesa, Matemática e Inglês estarão garantidos. Os demais componentes dependerão de um complexo sistema que nem mesmo o Ministério da Educação detalhou ao país para além das ideias gerais.

Mas o que me interessa pensar é o apego ou desapego em relação às mudanças. Faz algum sentido mudar algo se as práticas escolares continuarão as mesmas?

O processo de escolarização é um dos fundamentos para a cidadania e para a democratização dos saberes, técnicas e artes. Entretanto, as escolas também perpetuam as desigualdades que deveriam combater. O rendimento escolar não é uniforme e não ocorre com a mesma velocidade em nenhum grupo. A heterogeneidade social e a desigualdade econômica têm uma grande correlação com o desempenho escolar e são perceptíveis em qualquer tipo de estudo sobre sistemas de avaliação.

A democratização do ensino, o maior acesso às escolas, não significou um sistema minimamente igualitário. Qualquer banco de dados sistemático, como os do Inep, indica as oscilações entre regiões e famílias com perfis sociais, culturais e econômicos diferentes. A escola, seguramente, não é a única produtora de valores, nem a única instituição capaz de impactar transformações no capital simbólico e cultural de uma pessoa.

Acreditamos e defendemos, por um lado, que a escola é o espaço prioritário para a consolidação dos valores democráticos, republicanos e laicos, que impulsionam grandes transformações. Mas sabemos, por outro lado, que ela vive sob constantes críticas, e que ela não significa um espaço de redenção, pois está inserida dentro das lógicas políticas, econômicas, sociais e culturais de cada tempo.

Nesse sentido, retomo ainda que genericamente, a discussão em torno de um único ponto da reforma do Ensino Médio: a passagem de uma estrutura disciplinar comum no país, para um sistema supostamente flexível e consoante com as vontades dos estudantes, como alardeia a propaganda oficial. Essa mudança significa alguma coisa nova? E não mudar, representaria o quê?

Parece-me que estamos diante de um quadro com longas implicações, mas que ignora situações anteriores igualmente graves e que deveriam ser debatidas de forma mais ampla. Qualquer proposta de mudança não deve ficar restrita a currículos com maior ou menor flexibilidade. Estudantes, à medida que possuem maior autonomia, identificam que o discurso sobre o papel da escola está ancorado mais na tradição do que na efetividade do que vivenciam concretamente.

As escolas não possuem mais uma correlação entre os saberes apresentados aos estudantes e o lugar social que ocuparão em suas vidas profissionais. Os vínculos são, na atualidade, mais complexos e a obtenção de um certificado de Ensino Médio não é um atrativo ou passaporte para um futuro profissional mais exitoso. Podemos pensar e, deveríamos recuperar, que essa não é a função primordial da escola, mas apenas um desdobramento de suas atividades ao abrir um conjunto de referências sobre culturas, ciências e saberes. A escola não deve ser medida pelo indicador no Enem, pela aprovação na Unicamp ou qualquer outro indício de êxito: ela deve ser compreendida no impacto que provoca no modo como as crianças e jovens encaram o mundo.

O lugar de prestígio social das escolas não é o mesmo, embora conserve um grande valor e simbolismo. O acesso a mídias e informações no universo digital, ocupa cada vez mais espaço e concorre com os centros de produção e difusão do conhecimento que, tradicionalmente, universidades e escolas representaram. A questão, por certo, não é detectar a falência da escola diante de novas tecnologias, mas identificar que a escola tem uma demanda mais complexa de formação. O espaço escolar não deve ser apenas o local em que se registra a sensação de perda de prestígio de uma instituição que tinha o papel de hierarquizar saberes, disciplinas e culturas.

A hegemonia cultural que a escola representa está abalada por diversos cortes e recortes. O abalo, seguramente, não significa o desaparecimento da erudição e de saberes clássicos, mas estes não se sustentam por si só. Qualquer tipo de discussão sobre a educação deve considerar como diferentes grupos sociais interagem com seus próprios instrumentos culturais, a herança da cultura letrada e o universo da cultura midiática.

Diante desse quadro, a mudança no Ensino Médio, exclusivamente no ponto relacionado à presença ou não de disciplinas (pois há outros pontos controversos), significará quase nada se não houver uma efetiva compreensão sobre o processo dinâmico da realidade juvenil e das expectativas que, nem no modelo antigo, nem no novo, parecem estar sendo contempladas. Pois, do contrário, parece que estamos diante da constatação de Lampedusa: “Algo deve mudar para que tudo continue como está”.

(Via José Alves de Freitas Neto)

VOCÊ é muito importante para nós. Queremos ouvir SUA VOZ. Deixe seu comentário abaixo, após 'Related Posts'. Apoie este projeto: clique nas publicidades ou contribua.

COMMENTS

BLOGGER
Nome

Anna Poulain,5,Apoemático,19,APPs,15,Arte,3,Arte Digital,17,Artigos próprios,105,Artigos reproduzidos,286,Biografias,1,Cinema,7,Citações,20,coluna S I T T A,5,Consumidor,24,Contos,14,Crônicas,7,Cultura,14,Dados estatísticos,17,Depressão Comunica,7,Diálogos,1,Diego Pignones,42,Digital,1,Documentários,119,Educar,23,Ensaios,14,Entrevistas,40,featured,4,Fotografia,42,Games,3,HQ,15,In Memoriam,2,Informe,1,Jornais,25,Jornalismo Literário,7,Língua Inglesa,1,Língua Portuguesa,25,Literatura,31,Machismo,17,Memórias de minha janela,10,Mídia,1298,Música,81,nota,9,Nota.,223,Notificando,3,Outros Blogs,2,Pablo Pascual García,1,Pensamento e Comunicação,57,Pensamentos tupiniquins,196,Pintura,15,Poesia,39,Política Carioca,135,Política Internacional,335,Política Nacional,1003,Q tem pra V,44,Rádio/TV,27,Rapidinhas do Sr Comunica,29,Saúde,18,Teatro,20,Tetraplégicos Unidos,10,Tirinhas,4,Tupi Guarani Nheengatu,8,Viagem,10,Vídeos,37,Web,44,
ltr
item
COMUNICA TUDO: Alguma mudança no Ensino Médio?
Alguma mudança no Ensino Médio?
https://3.bp.blogspot.com/-8htJ0rJxAm0/WWYI1C8aqUI/AAAAAAAAOk0/bKQ-a4BlDeg0E7EhCGUiV7QLGJUbJ7wEwCK4BGAYYCw/s640/Alguma%2Bmudanca%2Bno%2BEnsino%2BMedio%2BCOmunica%2Btudo.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-8htJ0rJxAm0/WWYI1C8aqUI/AAAAAAAAOk0/bKQ-a4BlDeg0E7EhCGUiV7QLGJUbJ7wEwCK4BGAYYCw/s72-c/Alguma%2Bmudanca%2Bno%2BEnsino%2BMedio%2BCOmunica%2Btudo.jpg
COMUNICA TUDO
http://www.marcelodamico.com/2017/07/alguma-mudanca-no-ensino-medio.html
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/
http://www.marcelodamico.com/2017/07/alguma-mudanca-no-ensino-medio.html
true
4187826622770269860
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy